27.3.15























UMA RAJADA DE BALAS
  

Fazendo sucesso em São Paulo a exposição “Bandidas!”, um ensaio fotográfico onde Adriana Birolli representa quatro grandes vilãs de Hollywood: Bonnie Parker, do filme Bonnie and Clyde; Miriam Blaylock, de Fome de ViverCatherine Tramell, de Instinto Selvageme Alex Forrest, de Atração Fatal. Quatro personagens marcantes e quatro grandes sucessos do cinema. 

Com produção do empresário Ruiz Bellenda e fotos de Ângelo Pastorello, as fotos estão sendo exibidas no Paris 6, badalado restaurante de São Paulo. É importante lembrar que as fotos não buscam recriar as atrizes que fizeram as personagens. Mas apenas mostrar como Adriana Birolli faria aqueles personagens. Nas fotos acima a atriz mostra como faria Bonnie Parker, a pistoleira doidivanas interpretada por Faye Dunaway no admirável filme de 1967, dirigido por Artur Penn.














FOME DE VIVER


Miriam Blaylock, uma vampira sexy e fahion vaga pela eternidade ao lado de seu companheiro, curtindo os prazeres mundados regados a sangue jovem escorrendo de suculentas jugulares. Catherine Deneuve e David Bowie estão perfeitos como as criaturas da noite do filme The Hunger, que Tony Scott dirigiu e é um dos favoritos de Adriana Birolli. Que atriz em busca de desafios não gostaria de interpretar uma vampira sedenta e sofisticada? Mademoiselle Birolli espera que Ridley Scott a convide para o remake do filme do seu irmão e fez questão de posar para as lentes de Ângelo Pastorello com a sua versão da instigante Mme. Blaylock.












INSTINTO SELVAGEM


Sharon Stone protagonizou a mais famosa cruzada de pernas da história do cinema. Foi no filme Basic Instict, um campeão de bilheteria que conta a perturbadora historia de uma linda serial killer. E Adriana Birolli adora Catherine Tramell a escritora famosa que mata seus amantes com um furador de gelo. Uma personagens cheia de nuances, que mistura cinismo e sensualidade. Um sonho para qualquer atriz inteligente.














ATRAÇÃO FATAL

O céu conhece a fúria de uma mulher rejeitada. Quem viu Atração Fatal vai entender exatamente o significado dessa frase.  Poderia ser o epitáfio de Alex Forrest, uma mulher abandonada pelo amante que, por conta disso, faz da vida do sujeito um inferno. Glenn Close soube como ninguém dar vida à personagem. Já que adora o filme Adriana Birolli quis fazer sua própria leitura dessa mulher sofrida e apaixonada. Pobre, Alex!


23.3.15



Esperar que a vida te trate bem porque você é uma boa pessoa é como esperar que um tigre não te ataque porque você é vegetariano.

22.3.15





Deve ser dado descanso aos espíritos. Repousados eles ficam melhores e mais vigorosos.




UMA LÁGRIMA PARA CLAUDIO MARZO - Domingo triste com a morte do Claudio Marzo, um simbolo das telenovelas. Foi um dos inesquecíveis Irmãos Coragem e participou do remake da novela interpretado o vilão Pedro Barros. Na sua época de galã era um dos favoritos do público. Interpretou galãs românticos em Véu de Noiva, Minha Doce Namorada e Carinhoso, sempre fazendo par com a Regina Duarte. Mas depois ele rompeu com tudo isso e fez um personagem doidão na novela O Bofe, onde aparecia barbudo e de cabelão. Também fez ótimos personagens em O Espigão, de Dias Gomes, e Brilhante, de Gilberto Braga, onde interpretou um motorista de madame que tinha um caso rumoroso com uma granfina interpretada por Fernanda Montenegro. Fez par com Marília Pera na antológica minissérie Quem ama não mata.  A história do ator se confunde com a história das telenovelas da Globo, onde atuou desde os tempos áureos dos folhetins de época. Já nesse período fez sucesso como o Marcel em O Sheik de Agadir,

Estreou no cinema em 1967 no filme O mundo alegre de Helô, com Leila Diniz e Irene Estefânia. Fez sucesso como o protagonista de Capitão Bandeira contra o Doutor Moura Brasil, de Antonio Calmon, onde atuou ao lado de Sonia Braga, Norma Bengell e Dina Sfat. Fez filmes importantes como Nunca fomos tão felizes, A dama do lotação, A máscara da traição, Copacabana me engana e O Xangô de Baker Street, onde fez uma elogiada participação no papel de Dom Pedro II.

No teatro teve uma atuação marcante na peça "A fonte da eterna juventude", de Tiago Santiago. Saudades eternas deste ícone das telenovelas. Descanse em paz... 





O pudor é tão necessário aos prazeres que é preciso conservá-lo mesmo nos momentos destinados a perdê-lo.



O BEIJO NÃO VEM DA BOCA - Muito antes de beijar Natália Thimberg na novela das nove, Fernanda Montenegro já tinha beijado Renata Sorrah na peça As lágrimas amargas de Petra Von Kant. Um dos grandes sucessos do teatro brasileiro. Fernanda e Renata arrasavam interpretando duas mulheres que se envolviam numa paixão destrutiva. A cena do beijo provocava arrepios na plateia. Agora dona Fernanda volta a causar sensação beijando outra mulher. dessa vez na novela Babilônia. Sua parceira desta feita é outra grande dama do teatro brasileiro, Natália Thimberg. No caso as duas vivem juntas há trinta e cinco anos numa relação apaixonada e feliz. Ao mesmo tempo em que provoca sensação nos fãs das duas veteranas atrizes o beijo tem sido alvo de reações indignadas dos conservadores. Sempre eles. Numa novela em que Glória Pires seduz vários homens e mata um amante e onde Adriana Esteves manda quebrar as duas pernas de uma rival apenas para conseguir ingressos para uma festa, o que tem provocado repulsa é o beijo apaixonado de duas senhoras envolvidas numa linda história de amor. E assim caminha a humanidade...

Babilônia é uma excelente novela. Tem uma boa história, diálogos bem elaborados, bons personagens, atores magníficos. Defende com galhardia a tradição folhetinesca da telenovela. brasileira.   


20.3.15






TUDO COMEÇA NUM PONTO- O quadro da estilista Zuzu Angel pintado pelo artista plástico Giuseppe Ranzini é destaque na exposição "Pintando a moda nos 70´s", na galeria Entrecores, em São Paulo. Giuseppe nasceu em Milano e chegou ao Brasil em 1952. Desde criança já pintava, influenciado por um tio, Attilio Fesce, paisagista italiano. Morou em diversas regiões do Brasil, mas, nos anos 70, viveu no Rio de Janeiro com sua mulher Vera. Foi nessa época que conheceu Zuzu Angel, já que sua mulher era fã das roupas da estilista. Hoje mora em São Paulo, e tem um ateliê em Interlagos. Ao ser convidado para participar da exposição coletiva sobre ícones da moda brasileira logo pensou em Zuzu e criou esse quadro especialmente para a exposição.





16.3.15


















IMPEACHMENT NÃO É GOLPE! - No meio de tantas palavras de ordem e gritos de guerra, o que mais me chamou atenção na passeata de Copacabana foi um cartaz que dizia simplesmente "fim da reeleição". Pois é. Toda essa confusão começou no momento em que FHC vendeu sua alma em troca da reeleição. Nesse ponto eu concordo com os dilmistas: é tudo culpa do FHC. Talvez a principal razão de eu ser a favor do impeachment é que sou contra a reeleição. Um mandato está de bom tamanho. Para qualquer que seja o presidente. Por outro lado, essa onda de manifestação do 5 de março significa o fim da era PT. Essa sigla está, definitivamente, associada a corrupção e roubalheira. Uma pena. Chegaram ao poder prometendo ética e vão acabar saindo pela falta dela.  

14.3.15








Uma verdade dita com má intenção bate todas as mentiras que se possa inventar.


CINEMA É A MAIOR DIVERSÃO - Os velhos marinheiros é um dos mais famosos romances de Jorge Amado, lançado em 1961. Conta a história do Capitão Vasco Moscoso, um sujeito misterioso que desembarca em Peiperi, cidade do litoral baiano e ali seduz o povo com suas histórias sobre aventuras em países longíquos e portos distantes. Sua popularidade causa ciúmes e inveja no fiscal aposentado Chico Pacheco que começa a investigar o passado misterioso do Capitão. Com o ator português Joaquim de Almeida no papel de Vasco e José Wilker como Chico Pacheco, o filme O Duelo estreia dia 19 de março com ares de super produção. Com roteiro e direção de Marcos Jorge, o realizador do filme Estômago, O Duelo tem no elenco Patrícia Pillar, Tainá Muller, Claudia Raia e Marcio Garcia. Foi um dos últimos trabalhos de José Wilker.  

Veja o trailer do filme: