30.7.11






























Ódio eterno ao futebol moderno!


O momento que mais me emocionou, na Marcha Por uma Copa do Povo, manifestação organizada pela Frente Nacional dos Torcedores, foi uma palavra de ordem. Os torcedores, com uma incrível convicção na voz, gritavam “ódio eterno ao futebol moderno”. Nessa frase está contida toda a razão de ser do conflito entre os torcedores e os organizadores da Copa do Mundo de 2014, alvo dos protestos. A FIFA quer impor um “futebol moderno” ao que se entende como “o futebol brasileiro”. E a palavra “moderno”, nesse caso, está sendo usada, não só no seu significado natural, mas também com o significado de corrupto, desonesto, pilantra, metido em negociatas, etc.


A Marcha por uma Copa do Povo teve como subtítulo a frase “Fora Ricardo Teixeira”. E foi exatamente ele, Ricardo Teixeira, o grande alvo da fúria e escárnio da torcida carioca. “Teixeira, boqueteiro / fazendo a Copa / Pra roubar nosso dinheiro”. Esse foi um dos gritos de guerra da torcida. A voz do povo é a voz de Deus! O fato é que os rapazes da Frente Nacional dos Torcedores reservaram palavras bem mais cruéis para definir o presidente do Comitê Organizador da Copa, considerado por eles o inimigo público número um do principal esporte nacional.


Mas Ricardo Teixeira não esteve sozinho no merecido sacrifício da torcida carioca. O Governador Sergio Cabral e o Prefeito Eduardo Paes também foram alvo da fúria dos “sem-maracanã”. Cabral era chamado daqueles adjetivos de sempre: corrupto, pilantra, etc. Já o Prefeito foi alvo de um grito de guerra que rimava paes com satanás. (Deus me livre!) Os torcedores não se conformam com a demolição do Maracanã e estão botando o seu bloco na rua. Querem seu estádio de volta. E quando eles pedem o Maracanã de volta, eles pedem o futebol brasileiro de volta. Pedem a zoeira na geral, o modo brasileiro de torcer na arquibancada, o seu estilo peculiar de demonstrar essa inexplicável paixão nacional.



Os torcedores pareciam aflitos. Na expressão dos rostos havia uma perplexidade. Como se o seu futebol, o chamado futebol brasileiro, estivesse lhe escapando das mãos. (Ou melhor, dos pés...)



Triste!


29.7.11



Para quem ama, não será a ausência a mais certa, a mais eficaz, a mais intensa, a mais indestrutível, a mais fiel das presenças?





MARACANÃ, ADEUS! - Quem for hoje ao Maracanã vai encontrar apenas os escombros daquele que já foi o maior templo do futebol brasileiro. Com a desculpa de fazer uma reforma, demoliram o histórico prédio do Maracanã. Em seu lugar será construído algo que os construtores nem chamam de estádio. Chamam de "arena". Os torcedores cariocas estão de luto. Um choro contido inflama o peito daqueles que amam o futebol. O grande Maracanã agora é apenas saudade...
UMA LÁGRIMA PARA O MARACANÃ







Com o pretexto de fazer uma simples reforma, demoliram o Estádio do Maracanã. Aquele Maracanã, o bom e velho Maracanã, de tantas glórias do futebol brasileiro, nunca mais será o mesmo. Quem viu, viu. Quem não viu, não vai ver nunca mais. É triste. Muito triste. Ontem estive na Audiência Pública promovida pelo Ministério Público Federal para questionar as obras de demolição. Na audiência foi exibido um vídeo mostrando como será o novo Maracanã. "Parece um shopping center!", gritou um torcedor do Vasco. Todo calcado num, digamos, "padrão europeu", o "novo Maracanã" vai ter áreas totalmente climatizadas, escadas rolantes, bares sofisticados, e tudo o que um moderno shopping center possui. "Eu não quero área climatizada", disse um torcedor, quando chamado a dar o seu depoimento. "Eu quero assistir ao jogo em pé, de preferência na geral, sentindo o calor do verão". Foi aplaudido pelo público presente ao auditório do MPF, na Avenida Nilo Peçanha.





Sim, queridos leitores! Torcedores, frequentadores do Maracanã, foram convocados pelo Procurador Maurício Andreiulo Rodrigues (um cara jovem e bonitão) a discutir a reforma do Estádio Mario Filho, com o engenheiro responável pela obra, Ícaro Moreno Júnior, o presdiente da Sociedade dos Engeneheiros e Arquitetos (SEAERJ) Eduardo Koning, e o Superintendente do IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) Carlos Fernando Andrade, que autorizou a reforma, mesmo sendo o Maracanã um imóvel tombado. Ricardo Teixeira, o gangster que preside o Comitê Organizador da Copa foi convocado, mas não apareceu. Assim como a Ministra da Cultura Ana Buarque.





A combativa vereadora Sonia Rabello também participou da mesa de debates, já que ela tem feito críticas severas a demolição do Maracanã. Sonia Rabello já foi diretora do IPHAN e é a maior autoridade no Brasil em Tutela Jurídica de Patrimônio Histórico e Cultural. Além disso ela é uma respeitada professora de Direito da UERJ e o Procurador Andreiulo foi seu aluno e fez questão de citar essa informação na abertura dos trabalhos. Sonia Rabello foi muito aplaudida ao criticar a falta de transparência nas decisões relativas a Copa do Mundo. E quis saber por que uma reforma desse porte no estádio, já que o mesmo havia passado por uma grande reforma cinco anos atrás, por ocasião dos jogos Panamericanos.





Em sua explanação o engenheiro Ícaro Moreno Júnior realmente convenceu a platéia que a arquibancada do Maracanã estava muito corroída e precisava ser derrubada. Segundo ele, ao longo dos anos, o concreto foi corroído pela água da chuva e também pela urina dos torcedores. (Essa afirmação me remeteu a uma das imagens mais sexies da arquibancada do Maracanã quando, em jogo lotado, os torcedores realmente mijam em qualquer lugar...) "Mas se a arquibancada precisava ser derrubada, que se construa outra igual no mesmo lugar", lembrou um charmoso vascaíno, com a voz embargada. "Não é possível fazer outra do mesmo jeito", disse o engenheiro. E sabem por que? Fazer igual leva muito tempo e não daria para cumprir o prazo determinado pela FIFA. A alternativa é fazer de um outro jeito, pois assim será mais rápido.





A interferência da FIFA na descaracterização do Maracanã provocou tumulto na Audiência. O representante do movimento negro Nayt Júnior rodou a baiana. "É um absurdo a exagerada interferência da Fifa no futebol brasileiro. Todos os anos nós organizamos um campeonato brasileiro, abrangendo todo o território nacional. Será que não temos capacidade de organizar uma Copa do Mundo?". Nayt Júnior concorda que a FIFA faça determinadas exigências. Mas defende a idéia de que os conceitos da instituição se adaptem ao país que está sediando a Copa.





Carlos Fernando, do IPHAN, foi muito criticado por ter autorizado a demolição. Em alguns momentos ele chegou a ser vaiado. Mas, os melhores momentos da Audiência foram protagonizados pelos torcedores. Sempre que chamados a se pronunciar eles falavam de seus momentos de felicidade no Maracanã. Muitos começaram a frequentar o estádio ainda crianças, levados pelos pais. E cresceram vibrando nas arquibancadas, torcendo pelos seus times. "É a nossa imagem que é usada quando querem divulgar a alegria do futebol. Mas na hora de reformar o estádio ninguém quis saber de consultar a torcida", disse um torcedor com a voz embargada, segurando o choro.





O fato é que o Governador Sergio Cabral e o Prefeito Eduardo Paes são os grandes responsáveis pela derrubada do Maracanã. Eles poderiam ter negociado com a FIFA o cumprimento das exigências da Instituição, sem precisar descaracterizar o estádio. Mas foram subservientes e estão se aproveitando das exigências da FIFA para angariar fundos para as próximas eleições. O fato é que, aquele visual do Maracanã, que os cariocas viam do alto do Pão de Açucar, não vai mais existir. Aquele cartão postal que era uma referência do Rio de Janeiro para o mundo inteiro acabou. Aquele templo do futebol brasileiro (uma espécie de Capela Sistina do futebol) já era. Em seu lugar vai ser construído uma "arena" multiuso, possível de ser adaptada para shows de rock e outros grandes eventos. Mas a torcida carioca não quer saber de nada disso. Quer é o Maracanã de volta. O bom e velho Maracanã, com sua geral, com cadeiras duras, com o teto descoberto. Mas isso agora é um sonho. Não mais vai existir.





O Maracanã foi derrubado. E os torcedores de Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo vão lembrar disso na próxima eleição. Ora se vão...


27.7.11




Aquele que vence o outro é forte. Aquele que vence a si mesmo é poderoso.

24.7.11










































ENQUANTO O UFC NÃO VEM - Uma noite de muita diversão e alto astral. Assim foi o WOCS 14, o torneio de lutas que aconteceu no Estádio do Flamengo. Foi uma noite especial para a galera do Lido, a região de Copacabana que comprende as ruas Prado Júnior, Belfort Roxo e Ronald de Carvalho. Três lutadores daquele pedaço de Copa participaram da disputa: Luiz Beição, Alexandre Baixinho e o saleroso Eduardo Simões. Por conta disso, um grande grupo de rapazes e moças do bairro foram ao estádio torcer pelos vizinhos. Foi muito legal ver a galera vibrando e se divertindo enquanto os meninos lutavam. Gritos, assovios, dicas e toques para os lutadores... E o que é melhor: todos os três saíram vencedores. Graças a Deus! (A gente que conhece e convive com eles sabe como os caras se esforçaram e se dedicaram para participar desse evento...)





Adoro artes marciais.





Depois das lutas muita emoção nos bastidores. A vibração e a felicidade dos que ganharam. E a tristeza e o choro daqueles que lutaram, mas não conseguiram sair vencedor. Mauricio Deltinha chorou muito depois da luta. Torci muito por ele. Fez uma excelente luta. Foi guerreiro até o último minuto e não se deixou vencer. A luta foi decidida pelos juízes que deram a vitória ao Thiago Marreta. Mas, para mim, quem lutou melhor foi o Deltinha, que aprece chorando na foto logo acima. Quem disse que bofes nunca choram?





Quem também esteve lá no WOCS 14 foi o meu querido vereador Marcelo Arar, também ele um praticante de artes marciais. Adoro Arar! Toda vez quando a gente se encontra ele me dá um beijo. Sempre simpático, gente boa e preocupado em distribuir um astral positivo à sua volta. Gustavo Ximu, um dos meus ídolos no MMA, também estava no torneio, prestigiando e aplaudindo seus colegas de profissão. E tinha muita gente bacana: Amaury Biteti, Murilo Bustamente, Popó, Alexandre Pulga, o professor de Yoga Fernando Mota... E tinha também a galera do futebol de praia. Leo Gigante, belíssimo como sempre; Foro Reyner, Rafael Tiago, os irmãos Beto e Fabio Gaertner, Fernando Pernil, o bondoso Didi...


Foi uma noite incrível. Muito bom estar com meus amigos. Caras que eu amo de paixão. Sou louco por eles. E eles também são loucos por mim. Foi muito bom ficar naquela expectativa sobre a luta, torcer, vibrar com as vitórias, se emocionar, rir com os momentos hilariantes, ganhar muito abraço apertado, ser feliz...



16.7.11






O DIA DO ROCK - No dia 13 de Julho foi comemorado o dia do rock. E quando se fala em rock sempre me vem a cabeça Creedence Clearwater Revival. Essa música Travelin Band, para mim, é um exemplo clássico do que seja um rock. Eu era bem criança quando conheci essa música. Meus tios tinham o disco do Credence e sempre botavam pra tocar. E quando tocava Travelin Band eu, menininho de calças curtas, me acabava de dançar. E um dos meus tios, machão, sempre ralhava: "Para de rebolar, garoto!" Mas eu nem me abalava com isso. Desde criança eu sempre soube o que queria pra minha vida. Viva o rock!

3.7.11





























A MARCHA DAS VADIAS - Ontem vi uma coisa muito interessante em Copacabana. A marcha das vadias! Uma passeata de mulheres protestando contra o machismo e contra a discriminação. Lutando pelo direito de serem vadias sem que ninguém possa discriminá-las por isso. Gostei do conceito da parada. Mulheres com um discurso moderno e oportuno. Acho super importante para a mulher ser vadia. E isso é muito incompreendido pela sociedade que acha que só os homens tem o direito de ser vadios. No desfile da Avenida Atlântica vi o início de um movimento importante, que ainda vai dar muito o que falar. Eu apoio as vadias!




Uma das grandes tragédias da humanidade é o machismo. Muito da beligerância que existe no mundo, assim como o capitalismo selvagem, o desejo do poder a qualquer custo... Tudo isso são consequências do jeito machista com que o mundo é administrado. É por causa do seu exibicionismo machista que o homem promove guerras, conflitos e overdoses de corrupção. E na "marcha das vadias" eu percebi claramente um discurso contra tudo isso. Aquelas moças da parada não são contra os homens. Elas apenas querem o direito de enfiar o dedo no cu deles. Simples assim.





A marcha das vadias é um movimento totalmente pós-parada gay. Diante da marcha das vadias as paradas gays me soaram totalmente demodês (para usar uma palavra bem gay), antigas, old fashion! O discurso embutido na atitude das moças (que para mim eram umas santas) é muito mais up-to-date que o discurso de minhas amigas bibas. Tenho certeza que a "marcha das vadias" é que vai bombar no circuito dos movimentos organizados dessa década que agora começa. No próximo ano, certamente, a "marcha" vai ser muito maior e em 2014, ano da Copa, as vadias vão dar show para a torcida brasileira.





2.7.11



Só pela compaixão se pode ser bom!



AVE CÉSAR! - Todo o meu apoio e solidariedade ao nadador César Cielo que, visivelmente, está sendo vítima de um processo de difamação por parte de entidades ligadas ao esporte. E também pela imprensa que fica divulgando informações sensacionalistas a partir de elementos sem conteúdo. Coitado do esportista.



Já não basta o que aconteceu com o presidente do FMI? A mídia transformou o cara num monstro e agora está todo mundo vendo que ele foi uma vítima da camareira pilantra. E o mundo inteiro foi vítima de uma mídia que está sempre precipitada diante de uma necessidade de fabricar notícias de conteúdo dramático. Agora resolveram sacrificar o Cielo. Não deve tirar conclusões precipitadas...



Força, Cielo. Você é muito maior do que tudo isso!


Em tempo: adoro esse suvaco raspado!