31.8.11


Sabe qual o fetiche do momento? O suvaco do Mauricio Shogun.


29.8.11













MAURICIO SHOGUN - Depois de assistir à luta de Mauricio Shogun contra Forrest Griffin no UFC-Rio Michelle Levy, a musa do hip hop do Arpoador, não se conteve e se derramou em elogios à beleza do lutador. O rosto angelical emoldurando um físico que exalava testosterona deixou Michelle embevecida. "Como ele é lindo", ela não se cansava de repetir. No dia seguinte à luta a doce e bela Júlia Calmon, sobrinha favorita do novelista Antonio Calmon, durante um almoço em que foi servido um irresistível talharim com hadoque, fazia seus comentários técnicos sobre a luta. Maria tatame assumida, Júlia se disse impressionada com o carisma de Minotauro e com a beleza dos lutadores. E entre uma garfada e outra ela soltou essa pérola: "Para mim a invenção do século é o sungão! Alguém já reparou o que um sungão é capaz de fazer com o corpo de um homem?". Pois é, leitores. O Mauricio Shogun estava usando um sungão branco.








LIBERDADE CRÔNICA - Sou fã da Maria Paula desde sempre. Como apresentadora da MTV ela já era ótima. Depois, no Casseta e Planeta, descobri que ela era uma excelente atriz. Muito melhor do que aqueles humoristas com quem ela contracenava. Agora a Maria Paula vai nos revelar o seu lado de escritora. Dia 10 de Setembro, com a chancela da Editora Faces, Maria Paula vai lançar Liberdade Crônica. O livro é uma coletânea de textos que misturam filosofia, religiosidade e estilo de vida. Nada de gracinhas ou superficialidades. Maria Paula se mostra intensa em suas crônicas sobre a vida no século 21.



A jovem Editora Faces está chegando com tudo no mercado editorial. Em setembro chega as livrarias Sexo para inicantes, uma coletânea de contos sobre sexo de autores estreantes. Uma garotada esperta escrevendo curiosas histórias sobre sexo. No primeiro semestre saiu com sucesso A Primeira Presidenta, uma não-biografia da Dilma Roussef, que faz uma análise crítica da trajetória política da Presidente do Brasil. Escrito pelo jornalista Helder Caldeira, o livro é sucesso de vendas e já teve os direitos comprados para o cinema. A Editora Faces também lançou Tristes Camelos, de Daniel Corrêa, um drama existencialista sobre a juventude dos nossos dias. Logo após o livro de Maria Paula a Faces vai lançar um livro chamado Amei um Pitboy.



28.8.11






UMA NOITE INESQUECÍVEL - O UFC Rio foi o espetáculo mais erótico do ano. Que me perdoem os puristas, mas, as lutas de MMA são muito sexies. A virilidade dos jogadores, os golpes, o corpo a corpo durante a luta... É tudo muito mais sensual que violento. Claro que às vezes a porrada domina a cena. Quando os lutadores sangram é sempre mais dramático. Mas quando eles apenas se agarram e ficam roçando seus corpos másculos, o show fica imperdível.





Claro que a minha luta favorita foi a do Mauricio Shogun. Sou fã do Shogun desde sempre. Além de grande atleta ele é um rapaz belíssimo. Alem disso, sua vitória na luta contra o capcioso Forrest Griffin teve um sabor especial. Foi uma revanche. O gringo já tinha vencido o Shogun noutra ocasião e foi algo especial vê-lo dar a volta por cima. Venceu o cara logo no primeiro round. Foi muito legal quando ele derrubou adversário no chão e ficou socando de um jeito selvagem, rude. E houve uma beleza toda especial naquele momento, já que Shogun é sujeito doce, tem um semblante terno, um sorriso meigo... E, num rompante, toda aquela doçura virou selvageria. Uma bela selvageria.





A luta do Minotauro foi a mais comovente. Ele é uma grande figura, um guerreiro. E sempre fez bonito em todas as suas lutas. Imagino quanto era importante para ele vencer aquela luta aqui no Rio, no Brasil, para o público brasileiro. Há bastante tempo que os lutadores e amantes do MMA queriam trazer o UFC para o Brasil, mas sempre esbarravam em preconceitos. Agora, com a bem sucedida realização do UFC Rio tenho certeza que muitos campeonatos vão acontecer por todo o Brasil, criando um bom mercado de trabalho para os lutadores brasileiros e suas equipes. Isso é legal!












OS NOVOS ASTROS DO UFC - O policial do Bope Paulo Thiago fez uma das mais bonitas lutasda noite, contra o americano David Mitchell. Adorando o trocadilho, posso dizer que a luta foi pau a pau. Não houve nocaute. Os lutadores se mantiveram firmes durante os três rounds e os jurados deram a justa vitória ao brasileiro. Mas, o que valorizou a vitória do policial foi o talento e a garra do seu adversário. Mitchell partiu com toda a força para cima do Thiago que teve que se esforçar para domar a força do gringo. O resultado do embate foi uma luta espetacular, cheia de lances dramáticos, golpes bem trabalhados e muita garra de ambos os atletas. Belos e másculos os lutadores também ofereceram um espetáculo de singela sensualidade.


É uma pena que a luta entre Erick Silva e Luis Beição tenha durado apenas quarenta segundos. Beição começou muito bem, parecia que ele ia dar trabalho ao adversário mas, num lance surpreendente, Erick acertou um soco no queixo de Beição que o levou a nocaute. Essa é uma luta que merecia uma revanche. Erick e Beição são dois lutadores muito aguerridos, são ambiciosos e querem fazer carreira no UFC. Numa outra luta certamente terão possibilidade de mostrar mais ao público, que teveque se contetar com apenas quarenta segundos de embate.



16.8.11









A infidelidade desespera as mulheres pela razão do prazer que dá às rivais.



10.8.11
















SABRINA SUPERSTAR - Com a estréia na próxima semana, em São Paulo, do musical As Bruxas de Eastwick, Sabrina Korgut chega ao pódio de maior estrela de espetáculos musicais do Brasil. Cantora de grande talento, exímia bailarina, atriz que consegue transitar com desenvoltura pelo drama e pela comédia, ela já pode ser considerada uma grande dama do teatro brasileiro. Certamente, desde Marília Pêra que não surge uma estrela com suas qualidades nos palcos brasileiros. Salve, Sabrina!







AS BRUXAS DE EASTWICK -Os encenadores Charles Moeller e Cláudio Botelho vão, mais uma vez, dar o que falar no teatro brasileiro. Na próxima semana estréia em São Paulo mais um sensacional espetáculo musical encenado pelo casal: As Bruxas de Eastwick. É a versão para o teatro daquele filme estrelado por Jack Nicholson, Michelle Pfeiffer, Angelica Houston e Cher. Eu tive a oportunidade (e o privilégio) de assistir ao ensaio geral e posso garantir: o espetáculo é sensacional. Mil vezes melhor que o filme.



As atrizes da montagem brasileira, que fazem as três donas de casa de uma cidade do interior que são seduzidas por um forasteiro com poderes mágicos, surpreendem a platéia com seu talento. Maria Clara Gueiros está magnífica como Alexandra. Assim como a bela Renata Ricci, que faz o papel de Sukie. Mas quem dá show com a sua performance é a sensacional Sabrina Korgut. Seja cantando, fazendo cenas dramáticas ou momentos de humor, La Korgut faz a diferença no palco. Quem também impressiona na peça é o ator Eduardo Galvão. Eu não estaria exagerando se dissesse que ele está melhor que o Jack Nicholson. Totalmente à vontade no palco, ele convence cantando, dançando, representando e fazendo mágicas. Merece ganhar todos os prêmios de melhor ator. Galvão está irresistível. Ele convence como um cafajeste que seduz as três donas de casa e as transforma em bruxas ressentidas e maliciosas.



A peça também conta com a luxuosa participação de Fafy Siqueira, que brinda o público com ótimas cenas de humor, sempre contracenando com um hilariante Renato Rabelo. A trama é cheia de malícia, piadas de duplo sentido, sacanagem. Mas sempre com muita classe e sofisticação. O curioso é que a peça é narrada por uma garotinha, Larissa Manoela, que rouba a cena com suas intervenções. A peça vai ter muitos efeitos especiais (que no ensaio não foram feitos), cenários grandiosos e figurinos de impacto. Mas, o mais importante num musical são as músicas. E é nesse aspecto que a peça conquista o público. As músicas são excelentes e pegam o espectador logo na primeira audição. Junte um bom score musical, com coreografias criativas, executadas por talentosos bailarinos e você vai ter a sensação de estar na Broadway



Sabrina Korgut está se tornando a rainha dos musicais do Brasil. Há pelo menos cinco anos que ela encena um musical atrás do outro. Bonita, talentosa, afinada, ela domina o palco. No seu espetáculo anterior, Baby, ela sofreu um acidente dias antes da estréia. Foi substituída às pressas por outra atriz, mas conseguiu se recuperar e, um mês depois já estava de volta ao palco, com o braço na tipóia e ainda sentindo dores. Se recuperou fazendo o espetáculo. E, mesmo antes de Baby sair de cartaz, ela começou a ensaiar As Bruxas de Eastwick, onde faz piruetas, coreografias incríveis, além de cantar com sua voz maviosa e dançar divinamente. Num dado momento da peça ela vai voar sobre a platéia.


A personagem de Sabrina é Jane, uma solteirona pudica, que anda com figurinos que deixam seu corpo todo coberto. Depois que ela é seduzida pelo misterioso Darryl Van Horne (Eduardo Galvão) ela se tranforma completamente. Passa a usar roupas sensuais, que deixam chocados os moradores da pequena Eastwick. Nesse momento da peça Sabrina mostra mais um dos seus trunfos: um corpo escultural. Pernas torneadas, bundão, cintura, seios e carão. Merecia uma capa da Playboy. A tranformação da personagem não é só de figurino. Também é de temperamento. Então ela se torna uma desbocada irreverente que leva o público ao delírio. Pena que durante o ensaio não foi possível realizar a cena em que as três atrizes flutuam em cena. Certamente, As Bruxas de Eastwick será um mais grande sucesso do teatro musical no Brasil.


7.8.11





LUIS BEIÇÃO VAI LUTAR NO UFC RIO - Essa foi a melhor notícia do fim de semana. Luis Beição, atleta do futebol de praia, personagem querido da galera de Copacabana, vai lutar na edição carioca do UFC (Ultimate Fighting Championship). Depois de vencer três edições seguidas do WOCS (Watch Out Combat Show) o nome do atleta começou a ser falado entre os produtores do maior torneio de artes marciais mistas, ou MMA (Mixed Martial Arts). Sua presença no torneio foi confirmada na última sexta-feira.




Nem precisa dizer que Luis Beição foi o assunto do fim de semana nos bares e botequins descolados de Copacabana. Tanto no Chega Mais, como no Bar do Afonso, como no Copa Azul ou no Sereia de Copacabana o assunto foi a presença de Beição no UFC 134, também conhecido como UFC Rio. No Bar do Afonso, na esquina da Barata Ribeiro com Paula Freitas, enquanto a TV exibia a empolgante luta em que Vitor Belfort derrotou o japones Yoshihiro Akiyama, os boêmios do lugar só falavam na luta de Beição, no próximo dia 27.





"Quem como eu o conhece desde garoto jamais diria que um dia Beição iria lutar no UFC", comentava um amigo de infância do atleta. É que Beição sempre foi um garoto magrinho e bem comportado, calmo, totalmente zen. Um dia ele resolveu praticar artes marciais. Tomou gosto pelo esporte. Adquiriu um porte atlético. E começou a ganhar todos os campeonatos, para surpresa dos seus amigos que viam nele apenas um craque do Prado Júnior, seu time de futebol de praia.





Hoje o seu temperamento continua o mesmo. Tranquilo, sereno. Amigo dos amigos. Discreto. Mas para sua turma de Copacabana ele é um herói que surpreendeu a todos com suas vitórias, sua força de vontade e sua humildade.