13.2.16








"Triste época. É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito".  (Einstein)


EINSTEIN E O BRASIL - Algumas semanas antes do Carnaval Doc Comparato colocou um ponto final num roteiro chamado "O desvio da luz", que tem como ponto de partida as pesquisas do cientista Albert Einstein sobre a Teoria da Relatividade. Por uma interessante coincidência, em pleno carnaval foi divulgado que um grupo de cientistas acabou de comprovar a única previsão do físico alemão ainda pendente. E imediatamente o cientista voltou as primeiras páginas dos jornais. O escritor, que já tinha enviado seu roteiro para avaliação de produtores americanos e brasileiros, ficou surpreso com a repercussão e o interesse que a coincidência causou sobre o seu trabalho.

Doc esteve em Hollywood, no início de dezembro, onde foi negociar com um agente americano o roteiro de um filme policial chamado "Identidade Perdida". Num dia nublado, passeando pelo píer da praia de Santa Mônica, começou a pensar em como fazer um novo roteiro de um filme brasileiro, mas que tivesse um apelo internacional. Então ele se lembrou do episódio ocorrido em 1919, quando um grupo de cientistas americanos e ingleses, seguidores dos estudos de Einstein, vieram ao Brasil com o objetivo de comprovar parte dos estudos do físico alemão.

Muita gente não lembra mais disso. Mas, boa parte da Teoria da Relatividade foi comprovada no Brasil. Mais precisamente na cidade de Sobral, no interior do Ceará, terra natal do cantor Belchior. Em 1919, quando as teorias de Einstein já causavam furor nos meios científicos internacionais, aconteceu um eclipse total do sol. E, estudando esse eclipse, os pesquisadores da equipe de Einstein conseguiram provar algumas das teorias do professor, no que dizia respeito ao desvio da luz. Ao pesquisar quais os lugares onde o eclipse seria melhor observado os cientistas chegaram a conclusão que Sobral, no Ceará, e uma outra cidade na África, seriam os lugares ideais para comprovar a teoria sobre o desvio da luz. Assim, duas equipes se deslocaram para essas duas regiões. Uma seguiu para a Africa. A outra para o nordeste brasileiro. Acontece que na África o tempo ficou nublado. E só em Sobral foi possível confirmar a teoria que permitiu ao cientista ganhar o Prêmio Nobel de Física. Tanto que, até hoje, a principal atração turística de Sobral é o Museu do Eclipse.

O roteiro de Doc Comparato conta exatamente a chegada dos cientistas estrangeiros ao vilarejo localizado em pleno sertão. E como aqueles fatos interferiam na vida da população de gente simples do interior do Brasil no início do século 20. Na verdade, "O desvio da luz" começa em Viena, onde Einstein vai visitar o filho autista (naquele tempo eram chamados esquizofrênicos) internado num sanatório. O garoto vive num mundo só dele, o tempo inteiro desenhando em folhas de cartolina imagens da lua ou então de cogumelos que sugerem a explosão de uma bomba atômica. Enquanto o cientista visita o filho e decide se separar da mulher, sua equipe de pesquisadores chega a Sobral munidos de lunetas e telescópios gigantes.

A notícia de que aqueles forasteiros vieram investigar um eclipse prestes a acontecer mexe com o inconsciente coletivo da população local. O padre se sente ameaçado já que, para ele, o eclipse é um fenômeno celestial. Os conservadores acreditam que é um prenúncio do fim do mundo e passam a se comportar de modo imprevisível. Os mais espertos tentam se promover com os acontecimentos. E tudo isso acaba provocando conflitos, paixões avassaladoras, desejos incontidos, descobertas inusitadas e até um crime passional. Doc Comparato construiu, a partir de um episódio da vida real, uma história fictícia com o vigor e o charme dos melhores textos de Gabriel Garcia Marquez.

Nenhum comentário: