4.8.15















Só há um tipo de amor que dura: o não correspondido.


MORA NA FILOSOFIA - Nunca assisti a um filme do Woody Allen que eu não pudesse chamar de obra-prima. Como é que ele consegue se superar a cada filme? Tenho blog há mais de quinze anos e já escrevi muito sobre filmes desse diretor. E sempre começo o texto com a mesma frase, que faço questão de repetir: nunca assisti a um filme do Woody Allen que eu não pudesse chamar de obra-prima. E seu mais novo filme, Homem Irracional, não é diferente: um filme magnífico, onde roteiro e direção se entrosam com perfeição para ofertar prazer intelectual e sensorial a quem assiste. Woody Allen, como sempre, não abre mão nem da sofisticação, nem da inteligência.

Dessa  vez o diretor faz um mergulho profundo no mundo da Filosofia. Seu protagonista, Abe, personagem de Joaquim Phoenix, é um professor de Filosofia atormentado pelo fantasma de seu melhor amigo que morreu na guerra do Iraque. Sobrevive graças aos seus conhecimentos do pensamento de Kant, Sartre e, principalmente, Kierkgaard, Nas aulas que ministra na universidade ele discursa sobre questões cruciais da existência humana como o livre-arbítrio, o existencialismo, o desejo de se rebelar contra o pré-estabelecido. E para lidar com esses temas o roteirista criou diálogos primorosos, que dão um toque de classe ao seu filme. Com um professor tão cheio de ideias e interpretado por Joaquim Phoenix é claro que uma aluna tinha que se apaixonar por ele. E não só a aluna. Uma professora, mesmo sendo casada, não esconde seu desejo pelo professor rebelde e charmoso que bebe no campus da universidade.

Sim, o filme se passa quase todo no campus de uma universidade americana, mas o filme foi rodado na Irlanda. O angustiado, sofrido e bêbado professor muda de comportamento depois que ele experimenta na vida real uma de suas mais radicais teorias filosóficas. (Melhor não contar, para não estragar a surpresa de quem for ver o filme.) A partir daí, a história se transforma e o filme ganha um delicioso toque de Alfred Hitchcock. A história vai num crescendo, até chegar a um final surpreendente.

"Homem Irracional" é um filme apaixonante, que provoca e questiona conceitos filosóficos. Mais uma obra-prima para a conta de Woody Allen.



Nenhum comentário: