8.7.16


















LAVA JATO, O LIVRO - Só faltou mesmo o Sergio Moro. Alguns convidados da fila de autógrafos chegaram até a especular: será que o Sergio Moro vai aparecer, fazer uma surpresa? Mas, infelizmente, ele não apareceu na noite de autógrafos carioca do livro "Lava Jato - O juiz Sergio Moro e os bastidores da operação que abalou o Brasil", de Vladimir Netto. O livro é muito bem realizado, na medida que narra numa linguagem clara e simples, um episódio marcante da recente história do Brasil. É basicamente isso: um livro de história. Para ser lido, curtido e estudado para se entender no que se transformou o Brasil (politicamente falando) a partir da redemocratização.

Na Livraria da Travessa do Leblon muita gente bacana foi pegar o seu autógrafo. Muitos jornalistas, admiradores do trabalho de Vladimir Netto. E muitos fãs do Sergio Moro, hoje não apenas uma figura pública de relevância. Mas um ídolo pop por acaso. Estavam lá desde o nosso querido Carlos Schroder, Diretor Geral da Rede Globo, até a adorável Luciana Villas Boas uma das nossas mais talentosas editoras. E muitos colegas de Vladimir como Sonia Bridi, Bette Luchese, Monica Sanches e o fotógrafo Marcelo Borgongino. São dele as fotos que ilustram esse post. E quem também esteve por lá, mas só chegou no final, foi Miriam Leitão, mãe do autor do livro. Pois é. Ele aprendeu jornalismo em casa, com a melhor das professoras. (Adoro a Miriam Leitão, uma das jornalistas que mais admiro).   


UM PRÊMIO NOBEL PARA SERGIO MORO - Por sua luta tenaz contra a corrupção no Brasil o juiz Sergio Moro merece ganhar o Prêmio Nobel da Paz. Muita gente já ganhou esse prêmio por ter feito muito menos. Aliás, teve gente que ganhou sem nem merecer. E ele, pela sua coragem em defender a lei, a ordem e a justiça, já fez muito pelo Brasil. Havia chegado um momento que parecia que não havia mais nenhuma esperança para o Brasil em termos de valores morais no que diz respeito ao lidar com a coisa pública. E Sergio Moro surgiu se destacando por sua competência e talento ao exercer seu ofício. Ele não fez nada de mais. Apenas foi correto profissionalmente. E encheu o Brasil de esperança com a hombridade com que exerce seu papel de juiz. Sim, o Sergio Moro merece o Nobel e esse blog, desde já, está defendo esse ponto de vista e usando de toda a sua influência para fazer chegar ao comitê que concede o prêmio o nome do nobre juiz de Curitiba.  

Nenhum comentário: