22.5.17













O MUNDO DA TV – Quais as atrações mais marcantes da história da televisão brasileira? Com uma TV tão criativa como a nossa essa é uma pergunta difícil de responder.  Mas a jornalista Patrícia Kogut, a mais famosa colunista de TV do Brasil aceitou o desafio de fazer uma lista com as atrações mais marcantes da TV, desde que ela foi fundada em 1950. O resultado é o livro 101 Atrações de TV que sintonizaram o Brasil. O livro traça um painel interessante sobre a história da nossa TV, destaca programas marcantes e personalidades que deixaram sua assinatura na construção de umas das TV´s mais criativas do mundo. De modo algum o livro tem a pretensão de ser uma obra definitiva sobre a televisão brasileira. Pelo contrário. É  basicamente um almanaque e tem o toque do gosto pessoal da colunista. O livro é muito bem editado, tem lindas fotos e um texto charmoso e inteligente.

A noite de autógrafos na Livraria da Travessa foi divertida e alto astral. A Patrícia Kogut é uma pessoa querida no meio jornalístico e no mundo da TV, então as pessoas que estavam na fila de autógrafos estavam ali por gostar dela. Tinha desde antigas companheiras de trabalho, como as jornalistas Renata Reis e Patrícia Andrade, até o todo poderoso diretor artístico da Globo Carlos Schroder, para quem Kogut fez uma dedicatória que preencheu duas páginas do livro. Que tal? Também estavam lá Miguel Falabella, Grazi Massafera, George Moura, Cissa Guimarães, Arlete Sales, Marcelo Serrado, João Emanuel Carneiro, Liliam Cabral, Lu Lacerda, Vera Bocayuva, Vera Donato, Milton Cunha, Maurício Branco, Perfeito Fortuna, Fernanda Torres, Regina Case, Luiz Fernando Guimarães, Cora Ronai, Leona Cavalli e mais um monte de gente bacana.












O QUE FALTOU NO LIVRO DA KOGUT? -  Tem muita coisa fundamental na lista da Kogut. Não dava para não citar novelas como Selva de Pedra e Irmãos Coragem, nem atrações como Armação Ilimitada e Os Normais. Cada um citado como um item, um capítulo dentre os 101. Ela também cita personalidades da TV como Boni, Walter Clark, Chacrinha, Flavio Cavalcanti, Lima Duarte, Janete Clair, Dias Gomes, Walter Avancini e Glória Magadan. O livro também dedica itens a atores como Tarcísio Meira, Glória Meneses, Regina Duarte, Fernanda Montenegro, Suzana Viera, Betty Faria. E um mais do que merecido capítulo dedicado a Dina Sfat, ilustrado com uma linda foto.

Mas o livro, que tem a pretensão de fazer um apanhado da história da TV brasileira, se concentra excessivamente na produção da Rede Globo. É como se tudo tivesse começado com a Globo. Como se antes da Globo a TV brasileira não fosse tão mágica e divertida. E não foi bem assim. Por exemplo: quando traça o perfil dos atores Francisco Cuoco, Tarcísio Meira, Glória Menezes e Regina Duarte, Kogut os trata como se eles tivessem estourado a partir da Globo. Não foi exatamente isso que aconteceu. Regina Duarte já era, sim, a namoradinha do Brasil na época em que fazia novelas na TV Excelsior, de São Paulo. Ali ela fez nove novelas de Ivani Ribeiro, entre elas As minas de prata, Os fantoches, O terceiro pecado e Legião dos esquecidos, onde fez par romântico com Francisco Cuoco, quatro anos antes do casal fazer Selva de pedra, na Globo.  Tarcisio e Glória também já formavam uma dupla de sucesso na Exclesior, antes de estrearem na Globo. Assim como Francisco Cuoco que fez novelas importantes como Os quatro filhos, Almas de pedra e Redenção. Mesmo Dina Sfat, já tinha feito novelas na Excelsior quando estreou na Globo.

Ao mesmo tempo em que destaca esses atores que já vieram para a Globo como astros, Kogut esqueceu de destacar aquela que foi a primeira grande atriz de novelas contratada e formada pela Globo. A inesquecível Marília Pêra. Muito antes de Tarcísio, Glória, Regina, Dina, Suzana e Betty estrearem na Globo, Marília Pêra já era uma estrela da casa. Ela fez a primeira novela produzida pela Globo, Rosinha do sobrado, e ali construiu uma carreira marcante. O livro da Kogut só fala da Marília Pêra quando publica uma foto dela no perfil de Paulo Gracindo, quando juntos fizeram a novela Bandeira Dois.  Além de ter feitos novelas de destaque na emissora, como O cafona e Uma rosa com amor, Marília Pêra brilhou no programa Viva Marília, onde cantava, dançava, encenava esquetes teatrais e divertia o público com seu talento em várias plataformas. Acho que Marília Pêra não teve o devido reconhecimento no livro da Kogut.

No seu livro a minha querida e adorada Kogut também foi injusta com o grande autor de novelas Bráulio Pedroso. Ela dedica um capítulo inteiro ao João Emanuel Carneiro, a quem chama de Capitão Gancho, por causa da sua capacidade de criar ganchos em suas novelas. Mas, nem que viva mil anos, João Emanuel um dia chegará aos pés do grande Bráulio Pedroso. Ao citar Beto Rockfeller, que revolucionou a televisão brasileira, Kogut afirma que a novela foi uma criação do Cassiano Gabus Mendes, então diretor artístico da Tupi e escrita por Bráulio Pedroso. Ora bolas! Foi o texto irreverente e despretensioso do Bráulio Pedroso que fez o sucesso da novela. Tanto que ele conseguiu repetir o sucesso em outras novelas que escreveu como Super plá, O Cafona, O bofe, O rebu e O pulo do gato. Aliás, a novela O Cafona era praticamente um remake de Beto Rockfeller. Eu diria que O Cafona era Beto Rockfeller com produção global. Foi um grande sucesso de público, teve a melhor atuação de Marília Pêra em novelas vivendo Shirley Sexy, e teve também a melhor música de abertura de todas as novelas da Globo. Uma música dos irmãos Marcos e Paulo Sergio Valle, numa época em a Globo encomendava temas originais para suas novelas. Por que será que não fazem mais assim? As novelas dos anos 70 tinham trilhas sonoras incríveis, que mereciam estar na lista da Kogut.

Ainda sobre o fato da Kogut alegar que Cassiano Gabus Mendes foi o criador de Beto Rockfeller e  que Bráulio Pedroso apenas realizou o que o diretor artístico da emissora elaborou: então podemos dizer que Irmãos Coragem foi uma criação de Daniel Filho, já que ele era o diretor artístico da Globo e sugeriu a Janete fazer uma novela com elementos de bangue-bangue. Na época os filmes de faroeste rodados na Itália por cineastas como Sergio Leone e outros batiam recordes de bilheteria. E como o Daniel sempre foi louco por cinema, quis trazer aquele filão para a TV e deu a ideia para Janete. Será que isso faz de Daniel mais autor de Irmãos Coragem do que a Janete Clair, que foi quem escreveu?

E o programa Caso Especial? Como ela pôde esquecer de colocar entre os destaques o programa Caso Especial? Até hoje um dos programas mais incríveis realizados pela Globo. Adaptações de livros, filmes e peças de teatro, feitos com produções requintadas. Teve Jardel Filho e Marília Pêra (olha ela aí novamente) fazendo A megera domada, de Shakeasperare. Tarcísio Meira e Dina Sfat fazendo A pérola, de John Steinbeck. Renata Sorrah e José Wilker fazendo A cartomante, de Machado de Assis com direção de Regina Duarte. Que tal? Caso Especial não deveria jamais ter ficado de fora da lista da Kogut.

E o programa Elis Especial? (A próxima vez que a Kogut for escrever um livro sobre a TV ela tem que me mostrar antes depublicar para que eu possa fazer uma breve revisão...) O especial mensal de Elis Regina na Globo dos anos 70 foi uma das atrações mais geniais da história da nossa TV.  Como esquecer da grande Elis Regina cantando Black is beautiful vestida de palhaço?  

No capítulo dedicado a Ivani Ribeiro Kogut destaca a carreira da novelista na Globo. Poxa vida! Quando Ivani foi para a Globo ela já estava para se aposentar e só escreveu uma única novela original: Final feliz. As outras foram apenas remakes de novelas do passado. Sua fase áurea foi na Excelsior com novelas como A moça que veio de longe, Anjo Marcado, A deusa vencida e Almas de pedra. Depois ela fez uma carreira magnífica na Tupi escrevendo novelas inesquecíveis como As Bruxas, O meu pé de laranja lima, Nossa filha Gabriela e as versões originais de Mulheres de Areia e A viagem.

O novelista Geraldo Vietri também foi esquecido. Foi o responsável por novelas inesquecíveis como Antonio Maria, Nino, o italianinho e A Fábrica. Novelas que escreveu e também dirigiu. Como ele conseguia escrever e dirigir uma novela ao mesmo tempo é um mistério a ser desvendado. Aliás, Vietri chegou mesmo a dirigir uma novela de Janete Calir, na TV Tupi, chamada Paixão Proibida, que tinha Sergio Cardoso no elenco. (Aliás, o Sergio Cardoso também passou batido no livro da Kogut).

De qualquer modo, ao se fazer uma lista, é impossível não colocar o gosto pessoal na hora de fazer escolhas. A TV brasileira tem muito mais do que 101 grandes momentos para serem lembrados, e certamente foi difícil para a autora fazer escolhas. Mas o livro é uma curtição e merece ser lido por todos que amam a TV que se faz no Brasil.




Nenhum comentário: