29.4.02

A noite de domingo tem um novo point na cidade. O sport-gol, um campo de futebol no Largo da Barra. Começa cedo. A partir das oito da noite o lugar já está bombando. As garotas mais bonitas da cidade marcam presença, já que mulheres não pagam. Jogadores de futebol de praia. A turma do futevôlei. Gente bonita para todos os gostos. Ao lado do DJ três rapazes musculosos ficam fazendo coreografias sensuais, que são imitadas por quem está na pista de dança. Super divertido.

27.4.02

Um delírio completo a idéia de Lula de aumentar o imposto de renda dos ricos. Os problemas sociais do país não são culpa dos ricos. A culpa é do governo! Enquanto a receita federal bate recordes de arrecadação, o país bate recordes de concentração de renda. O governo retém o dinheiro, mas não o repõe no mercado. Usa-o exclusivamente para defender seus interesses políticos no Brasil e no exterior.
Na época da ditadura militar havia menos concentração de renda porque os militares pagavam bem aos funcionários públicos. Como os funcionários públicos ganhavam bem, eles pagavam melhor a seus empregados, consumiam mais, davam melhores gorjetas... O dinheiro circulava. Com o advento da democracia criou-se a mentalidade de que a culpa dos gastos do governo era dos funcionários públicos. Então os democratas deixaram de pagar bem aos seus funcionários mas não distribuíram o dinheiro com as classes mais pobres. Guardaram o dinheiro para seus projetos políticos e para os banqueiros internacionais, provocando uma exagerada concentração de renda!

Um sucesso a entrevista de Danuza Leão na revista Época. Todo mundo comentou e foi o assunto principal dos bate-papos da semana. É bom ver que Danuza continua lúcida, divertida e inteligente. E fazendo a cabeça das pessoas. Mesmo tendo errado a mão nas suas diversas cirurgias plásticas.


É impressionante o novo anúncio da Caixa Econômica Federal, que está sendo exibido na TV. Uma bela fotografia. Uma edição perfeita. A participação dos maiores atletas brasileiros. Parece um longa metragem de tão extenso. A idéia é promover a CEF. Mas para bom entendedor meia palavra basta. O que se vê é uma longa propaganda do governo Fernando Henrique. É pura propaganda política. É incrível. O país cheio de problemas. E FHC só pensa naquilo! Ele quer porque quer eleger seu sucessor. E para isso não tem nenhum escrúpulo. Usar um anúncio da Caixa Econômica como propaganda política é uma atitude cínica. Mas cinismo é algo que FHC tem de sobra.

26.4.02

O Baixo Leblon ataca novamente. Depois de um tempo no ostracismo, a região do Leblon conhecida como Baixo volta a ser um ponto de encontro de artistas, intelectuais e notívagos. Nesta quinta feira Luana Piovani exibia o seu sex appeal ao lado do Paulo Vilhena. E Caetano Veloso foi até a mesa do Euclydes Marinho dizer que adora Mel Lisboa e pediu para ser apresentado a ela. Enquanto isso dezenas de candidatos a estrela lotavam a Pizzaria Guanabara.

25.4.02

Li, em primeira mão, o divertido livro do jornalista Sidney Rezende Deve Ser Bom Ser Você. Cento e duas celebridades responderam a questões sobre a fama e o sucesso. A partir de suas respostas Sidney construiu um denso estudo sobre a fama no mundo capitalista do século vinte e um. Tem depoimentos comoventes, corajosos, como também fúteis e sem sentido. Faz tempo que eu não lia um livro tão instrutivo, no sentido escolar do termo. Deve Ser Bom Ser Você é quase um manual de sobrevivência na selva vulgar que é o mundo moderno.
Chop Suey is the name of a cook book Bruce Weber found on one of his photo trips and whose name he borrowed for his circle of artist friends that fetishize Peter Johnson, a high-school wrestler turned fashion model. Weber discovered Johnson and fell head over heels for him because the young man is beautiful, sexual and innocent, and because Weber is gay. The famous photographer never really comes out of the closet, even if this movie is as much about his personal life, his obsessions and his personality as it is about art and beauty.

The film is like a diary, a hodegepodge of original footage, clips from old tv shows, many photographs, studio conversations, hunks parading around in funky costumes or running on the beach naked with elephants. Visually enchanting, with A class editing, the movie is a fascinating and very personal look in Weber's world. It's hard to say how much of what's on the screen is honest because this visual homage to the photographer's life is created by Weber himself. Look for some signs of an overblown ego and pretentiousness, otherwise to be expected from such an acclaimed artist.

Apart from the beautiful, but "please don't speak", boy toy Peter Johnson, and some of his A&F friends, you meet a Brazilian jujitsu champ, an ex-junkie punk surfer, the explorer Wilfred Thesiger, the singer and lesbian icon Frances Faye, Robert Mitchum, Diana Vreeland, not necessarily in that order. The stories about Faye and the footage of Mitchum in the recording studio are deeply felt and real, on a totally different level from the sequences of smooth hunky twinks swimming in a pool while wearing tootoos and playing with golden retrievers.

A inteligência da natureza opera pela lei do mínimo esforço. Sem ansiedade. Com harmonia e amor. E quando utilizamos as forças da harmonia, da alegria, do amor, atraímos sucesso e boa sorte facilmente.
GUARDAR


Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la.
Em um cofre não se guarda coisa alguma.
Em cofre perde-se a coisa à vista.

Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por
admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.

Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por
ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela,
isto é, estar por ela ou ser por ela.

Por isso melhor se guarda o vôo de um pássaro
Do que um pássaro sem vôos.

Por isso se escreve, por isso se diz, por isso se publica,
por isso se declara e declama um poema:
Para guardá-lo:
Para que ele, por sua vez, guarde o que guarda:
Guarde o que quer que guarda um poema:
Por isso o lance do poema:
Por guardar-se o que se quer guardar.

(Poema de Antonio Cícero)

vocatus adque non vocatus deus aderit Invocado ou não invocado Deus está presente.
Siga a vontade ou o caminho que a experiência indica ser o seu e que é a verdadeira expressão de sua individualidade.
Mulholand Drive A presença marcante de Los Angeles é total depois do filme de David Lynch. Viajando na minha biblioteca resgato um livro muito querido. Los Angeles Stories É uma coletânea de contos de grandes autores americanos tendo L A como tema. F. Scott Fitzgerald, Sam Shepard, John Fante, Raymond Chandler, Henry Miller... E o fantástico conto The Day of The Locust, de Nathanael West, que deu origem ao sensacional filme de John Schlesinger. Além disso o livro tem um trecho do screenplay de Sunset Boulevard. Pode existir algo mais Mulholand Drive?

Los Angeles Stories foi editado por um sujeito chamado John Miller um dos fundadores da Equator e diretor de arte de magazines como Vanity Fair e Esquire. O livro me foi presenteado por Antônio Calmon, na época em que nós éramos amigos íntimos.
Mulholand Drive Dias depois de ter assistido ainda me sinto perturbado pelo filme de David Lynch. De vez em quando, uma imagem, um take do filme surge na minha mente. Como um flash. Como se eu estivesse dentro do filme. Ao mesmo tempo as imagens da cidade de Los Angeles me provocam uma sensação de nostalgia. Nostalgia da época em que estive lá. A cena em que a protagonista chega no aeroporto foi muito forte para mim. Quando eu vi aquela cena senti o mesmo enlevo do momento em que pisei em Los Angeles pela primeira vez. E cada vez mais forte me lembro de sair guiando pelas freeways e boulevards apaixonado e curioso. Dirigindo através da Sunset Boulevard procurando uma coisa que eu não sabia exatamente o era. Mas eu estava adorando guiar o meu Corolla Branco naquele lugar, o rádio do carro tocando A Whiter Shade of Pale e eu olhava para tudo como num filme de David Lynch. Certa vez eu estava num bar em Venice Beach e três surfistas sentaram ao meu lado. Quando perceberam que eu era estrangeiro começaram a puxar assunto e me pagaram algumas cervejas. Depois me convidaram para ir até a casa de um deles. Chegando lá acenderam um narguile e nós ficamos saboreando um fumo fantástico. No apartamento haviam pranchas de surf, skates, shorts, tênis e cuecas espalhados por todos os lugares. Pilhas de revistas de surf. E três rapazes lindos me dando boas vindas a cidade. Conheci pessoas muito legais em L A.

Noutra oportunidade eu acordei com um terremoto. A terra tremendo por alguns segundos. Foi uma sensação fantástica. O evento em si. A terra balançando. E a reação das pessoas depois do susto. Elas reagiam excitadas e pareciam celebrar o acontecimento do terremoto. No dia seguinte ao earthquake aconteceu uma parada gay em west hollywood e havia muita música e pessoas loucas.

Andando pelas ruas de Venice Beach encontrei Bridget Fonda filmando a versão americana do Nikita francês.
Num domingo fui ver um show de música pop, apenas para convidados, num restaurante que ficava dentro de um gigantesco estúdio de cinema, em Melrose. Depois do show, enquanto todos saboreavam o cocktail, eu peguei um drinque e saí caminhando pelos gigantescos galpões do estúdio vazio, imaginando que filmes teriam sido feitos ali. Adiante, encontrei uma equipe filmando uma sequência. Um cénario enorme onde uma atriz surgia ao fundo e corria para a cãmera até que seu rosto ficasse em close. Era só essa sequência e eles repetiram diversas vezes e eu viajando como um personagem de Mulholand Drive.

21.4.02

Cidade NuaDia 27 de abril, as cinco da madrugada, dezenas de pessoas vão posar nuas para o fotógrafo Spencer Tunick, em pleno Ibirapuera. Mais de quinhentas pessoas já se inscreveram para mostrar sua nudez num dos cartões postais da cidade de São Paulo. Entre os modelos peladões o super blogueiro Sergio Faria, chairman do blog Catarro Verde. Acho que nesse dia vou dar uma passada no Ibirapuera, assim como quem não quer nada, apenas para exercitar o meu lado voyeur. Adoro ver gente pelada!
Um sábio, o maior de sua época, ensinava seus discípulos baseado em um depósito de sabedoria aparentemente inexaurível. Ele atribuía todo seu conhecimento a um espesso livro que ele guardava num lugar de honra em seu quarto e não permitia que ninguém o abrisse. Quando morreu, aqueles que viviam em sua volta acharam-se no direito a sua herança e correram para abrir o livro, ansiosos para possuir o que havia dentro dele. Qual foi a surpresa, confusão e desapontamento quando eles descobriram que, no livro, havia apenas uma folha escrita. Eles ficaram ainda mais desnorteados e chateados, quando tentaram entender a frase que seus olhos liam: Quando você entender a diferença entre o contigente e o conteúdo você terá a sabedoria.
Sábado à noite em Ipanema. Escuto um disco de Johnny Alf chamado Cult Alf, gravado ao vivo, em comemoração aos seus quarenta anos de bossa nova. É um disco apaixonante, chique e sofisticado. Uma música me chama atenção. É um tema instrumental carregado de tensão e sensualidade. Enquanto a música toca tudo à minha volta parece um filme de David Lynch. Atordoado com a magia do som pego a capa do CD para olhar o nome da música. A música chama-se Idriss. Então eu me lembro da história. Idriss é o nome do saxofonista bonitão que toca na banda de Johnny. Idriss Boudrioua. Encantado com a beleza do rapaz Mr. Alf compôs uma canção especiamente para ele. Uma canção pontuada por um sax arrebatador. Johnny Alf continua sendo o mais misterioso e o menos conhecido dos grandes compositores da MPB.

20.4.02

Porque Hoje É Sábado Um lindo dia de outono. A claridade do dia e o azul do céu são um convite a um mergulho no mar. Antes, um baseado para criar um clima. No Posto Oito um animado torneio de futevôlei, com direito a churrasco e muita cerveja. Várias duplas de garotos bonitos disputam os troféus. A praia parece um anúncio do Calvin Klein fotografado pelo Bruce Weber. Os atletas parecem bailarinos com suas jogadas coreografadas. Seus corpos perfeitos parecem esculturas em movimento. A água do mar está gelada, apesar do sol inclemente. O dia corre tranquilo e sereno como a vida deveria ser. Sempre. No final da tarde, todos loucos de tanta cerveja. Duas duplas disputam a final. Garotos brincam de luta e se atracam na areia. Outros dançam as coregrafias sensuais dos bailes funks. Na hora da entrega dos troféus e medalhas a noite já está caindo. Alguém é escolhido o pior jogador do torneio. É agarrado por todos que arrancam sua sunga e a jogam para o ar. Um último mergulho no mar. A noite de sábado está apenas começando.
"When you fix your heart in one point, then nothing is imposible for you." Buddha

19.4.02



Ipanema, hoje
2002, o ano em que vi Cuba de perto.
Sonata de Outono em Ipanema. Uma das coisas que mais gosto na minha rua é que ela é bem arborizada. As árvores são lindas e fazem uma copa sobre a rua. Um charme, a minha rua. Pois bem. Hoje quando saí de casa dei de cara com o caminhão do Departamento de Parques e Jardins podando as árvores. Quase tenho um enfarte. Haviam galhos caídos no chão, pedaços de troncos, folhas espalhadas por todos os lugares. Em pleno outono!!! Eu perguntei porque estavam fazendo aquilo e me disseram que as arvores criavam morcêgos. O que era bucólico havia se transformado num árido deserto de concreto. Naquele momento eu quis morrer...
Noite de outono no Rio de Janeiro. Um fog invadiu a cidade dando um ar de filme de mistério por todos os cantos. Do carro, que circulava na beira-mar não se conseguia ver nem o calçadão, muito menos o mar. A névoa tomou conta de todos os lugares. É preciso ter cautela para dirigir pois não se consegue ver quase nada à nossa volta. Sigo para o Leblon a fim de tomar um drinque. O Baixo Leblon parece de volta aos seus tempos de glória, de point da badalação carioca. Na Pizzaria Guanabara encontro a musa Mel Lisboa, exibindo todo o frescor de sua clássica beleza de vinte anos. Ao seu lado os escritores Vinicius Viana, Graça Motta e João Emanuel Carneiro encantados com o charme da garota. Mel está arrasada porque naquele dia havia saido uma nota na coluna da Hildegard Angel falando que ela está péssima na novela Desejos de Mulher. Segundo a nota, até o garotinho que faz o filho dela é melhor ator. Vinícius bebe refrigerante e come o tempo todo. Ele faz gracinhas tentando levantar o astral da moça. Ela ri o tempo inteiro. Responde as piadas com outras. Faz comentários sobre o seu personagem. Mas eu fiquei com a impressão que a qualquer momento ela ia desabar num choro. João Emanuel, Mel e eu bebemos o tradicional chope enquanto Graça preferiu um prosecco. Pouco depois chega Ceceu Valença e senta na nossa mesa. O filho de Alceu Valença pede licença e nos encanta recitando um poema de sua autoria. Numa mesa ao lado Luciana, gerente do Ateliê Culinário, conversa com o namorado. Noutra mesa o craque do futebol de praia Diguinho, ídolo das peladas nas areias de Copacabana. Ele me disse que quer mudar de time pois está se sentindo desprestigiado no Constante Praia Clube, time onde joga. Antes de irmos embora, as três e meia da manhã, eu, Graça e Mel fomos até a banca de revistas do outro lado da rua comprar os jornais do dia, a nova Vanity Fair, com Krinstin Durstin na capa, Homem Vogue, W e a Marie Claire francesa. Depois Mel entrou no seu Mercedes e sumiu na névoa londrina que povoava o Leblon.
A diva do teatro brasileiro Duse Nacarati é uma das minhas atrizes favoritas. Musa absoluta do movimento besteirol dos anos 80 ela é ao mesmo tempo uma típica atriz rodrigueana. Um de seus maiores orgulhos é ter sido chamada de atriz rodrigueana pelo próprio Nelson Rodrigues depois de vê-la atuando em uma das suas peças. Quem já teve a oportunidade de vê-la em O Beijo No Asfalto certamente concordará com o saudoso Nelson. Pois a Divina Duse está ensaiando um novo espetáculo: Aqui Se Faz Aqui Se Paga A peça é uma remontagem de As Mil E Uma Encarnações de Pompeu Loreiro, de Mauro Rasi e Vicente Pereira, grande sucesso do teatro besteirol. A direção é de Jorge Fernando, que também atua no espetáculo e emagreceu 8 quilos para incorporar o seu papel.

18.4.02

Ainda sobre a peça O Beijo no Asfalto. Tem uma sequencia fantástica em que o jornalista tirano está acuando a dona de casa Selminha tentando convencê-la de que seu marido é homossexual. Selminha, interpretada por Alessandra Negrini em brilhante atuação, defende o marido. "Ele é homem... O meu marido é homem... eu posso testemunhar... o meu marido é homem..." O jornalista cretino, vivido por Tonico Pereira se aproxima da mulher e pergunta sarcástico: A senhora já ouviu falar em Gilette?

17.4.02

A festa de cinquenta anos de Gilda Matoso no Clube dos Marimbás foi tudo de bom. Gilda recebeu os amigos linda, num pretinho básico bem sexy, deixando bem claro que o corpinho está super em forma. O buffet e o jantar estavam divinos. Canapés maravilhosos e um jantar delicioso. O champanhe rolou a noite toda. Estavam lá Caetano Veloso e Paulinha, Gil, Lulu e Scarlet, Boni e Lou, Tonia Carrero, Ney Latorraca, Renato Costa, Guto irmão da Gal, Tereza Duarte (a mulher mais chique e elegante da festa), Antonio Carlos Miguel e Katy, Marcelo Balbio, Tony, Cláudio Gomes, Roberto Talma, Liége Monteiro ( ela estava linda, chique e maravilhosa, naquele estilo enigmático que só ela possui e surpreendeu a todos vestida de branco quando quase todas as mulheres estavam de preto) Ronaldo Bastos, Sergio Maciel, Ana Jobim, Lucyana de Moraes, Jorge Salomão, Narcisa Tamborindeguy, Marília Moraes, Marcus Vinícius e Flavinha. O DJ era ótimo e tocou apenas clássicos das pistas de dança. Lou de Oliveira era uma das mais animadas na pista, dançando com todo mundo e dando um show de simpatia. Tomei champanhe a noite toda. Quando saí do Clube dos Marimbás o dia estava amanhecendo e a vista da praia de Copacabana era coisa mais linda do mundo. A paisagem parecia dizer feliz aniversário Gilda!!

16.4.02

Fui assistir O Beijo do Asfalto. Já conheço esse texto nos mínimos detalhes pois já vi diversas montagens. Mesmo assim, foi um prazer inebriante rever a peça. Marcus Alvisi é daqueles diretores que conhecem o seu lugar e sabem valorizar o autor do texto. Além disso ele dirige atores como ninguém. Alessandra Negrini domina o espetáculo, que tem no elenco Marcelo Serrado, Fernanda Rodrigues, Rogério Fróes, Tonico Pereira e a grande dama do teatro brasileiro Duse Nacaratti. Aliás, ando impressionado com Alessandra Negrini. Que atriz fantástica!!! Ela é maravilhosa. Na festa da Gilda Matoso Caetano Veloso me disse que também tinha ficado muito impressionado com ela. (Ele assistiu ao espetáculo no mesmo dia que eu.)
Alair Gomes o cult fotógrafo carioca, que teve suas fotos expostas em Paris será tema de filme. A Riofilmes vai produzir um documentário sobre a vida e a obra desse maravilhoso artista, que dedicou sua vida a fotografar o homem carioca. Só por isso ele já merece toda a minha admiração.