28.10.08





Fazer política é a arte de dividir o bolo de tal maneira que cada um pensa ter ficado com o pedaço maior.



Toda a vida é sonho e os sonhos sonhos são.


WALDETE SOU EU - Negócio da China é uma ótima novela. Tem uma boa história e um elenco muito bem escolhido, que mistura medalhões globais com talentos do teatro. Mas minha novela favorita da Rede Globo, no momento, é Três Irmãs, do meu querido Antônio Calmon. A história é completamente light, sem maiores vilanias e tem um otimismo diante da vida que me parece muito saudável. Além do que, o universo do surfe é algo irresistível. Mar, ondas e surfistas são a minha praia.


Mas, o que me faz ficar ligado em Três Irmãs é a homenagem que Antônio Calmon me faz na sua história. O personagem de Regina Duarte se chama Waldete por minha causa. Era assim que ele me chamava quando éramos amigos íntimos. Waldete com W, como a personagem gosta de afirmar. Eu me sinto honrado com a homenagem. Afinal, quantas pessoas no Brasil podem dizer que já foram homenageadas em uma novela da Rede Globo? Ainda mais com um personagem interpretado por Regina Duarte, uma atriz que é praticamente um símbolo da televisão brasileira. Alguns amigos agora só me chamam de Waldete com W, o que muito me diverte. Sobre o personagem Júlia Calmon, sobrinha do Antônio, me disse: “Cara, o meu tio te ama muito! Waldete é mais que um personagem. É uma declaração de amor”. Pois é, Júlia. Eu também amo muito o Antônio Calmon.

16.10.08




Semeie um ato, e você colhe um hábito. Semeie um hábito, e você colhe um caráter. Semeie um caráter, e você colhe um destino.





QUEM É GAY NA POLÍTICA BRASILEIRA?Henrique Meirelles, o Presidente do Banco Central, um dos homens mais poderosos da política brasileira, é homossexual! É interessante lembrar disso no momento em que Gilberto Kassab, Prefeito de São Paulo, candidato a reeleição, declara em entrevista que não é homossexual. Como assim? Não é homossexual? Os michês de São Paulo, freqüentadores assíduos do Palácio do Anhagabaú, que só chamam o Prefeito de Tia Kassab, devem estar indignados. Foi muito escrota a atitude de Marta Suplicy e do PT ao fazerem insinuações sobre a vida pessoal do Prefeito na propaganda política. (Mas essa gente é assim mesmo!) Por outro lado foi horrível o Kassab afirmar numa entrevista que não era homossexual. Se ele tivesse dito a verdade já teria ganho a eleição. Será que essa biba não se olha no espelho? Basta olhar na cara dele. Está escrito bem grande na testa: sou gay! Se o eleitor de São Paulo estivesse preocupado com isso não teria votado nele para o primeiro mandado.


Vejam aqui no Rio, por exemplo. A eleição de 2008 para a Prefeitura foi praticamente um pleito gay. Ora vejam. Além dos super gays Fernando Gabeira e Eduardo Paes, havia na disputa as botinas Jandira Feghali, também conhecida como Jandirão, e a rainha das sapatas, Solange Amaral. Não é o máximo? Claro que, oficialmente, ninguém assume, mas, afinal, para que assumir? Ninguém tem nada a ver com isso. No caso do Gabeira e do Paes ambos são casados, têm mulher, têm filhos. Mas são duas bibas! E viva o Rio.


“Já comi muito o Gabeira”, me disse certa vez cheio de orgulho Roque um jardineiro boa pinta que andava pela Farme de Amoedo. Com seu jeito pausado de falar Gabeira tem uma suavidade e uma delicadeza que o aproxima do estilo gay de ser. Já Eduardo Paes é uma bicha falsa! Ele adora posar de machão, exibe a mulher e os filhos como se fossem troféus, mas o grande amor da vida dele foi um surfista da Barra da Tijuca conhecido como Geribá. O amor não é lindo? Diante das câmeras ele sabe representar que é um machão, mas quando as câmeras são desligadas a bicha desmunheca horrores. No lançamento do livro do ex-presidente Fernando Henrique, no Hotel Caesar Park, Eduardo Paes deu tanta pinta, mas tanta pinta, que muita gente achou que ele fosse o cabeleireiro da Dona Rute.


Nesses dias em que prefeitos e homossexuais estão na crista da onda, vale lembrar o caso do finado deputado Álvaro Valle que disputou a prefeitura do Rio em 1988. Álvaro Valle era uma bichona, uma doida, uma desvairada. Uma libélula esvoaçante. Certamente por isso sua candidatura angariou muita simpatia da população. Nas pesquisas de intenções de voto a maricona aparecia em segundo lugar, quase encostando no primeiro colocado. Quando viu que sua candidatura estava decolando e que tinha chances reais de ganhar a eleição Álvaro Valle cometeu um ato insano: arrumou um casamento às pressas com uma frentista de um Posto de Gasolina. O casamento forçado arruinou a candidatura da boneca. O eleitorado ficou chocado com a atitude do deputado e desistiu de votar nele, que acabou ficando com pouquíssimos votos. Resultado: além de ter perdido a eleição a biba ainda teve que ficar aturando uma mulher dentro de casa. Bem feito.


Os homens públicos que são gays têm mania de arrumar um casamento às pressas para disfarçar sua homossexualidade. Não será surpresa se, nos próximos dias, o Gilberto Kassab aparecer com uma noiva e promover um casamento espalhafatoso com ela. Os michês paulistas vão ficar arrasados! Afinal, o generoso prefeito é o ídolo dos garotos de programa do Largo do Arouche. Mas Kassab não é o primeiro prefeito gay de São Paulo. Afinal, não podemos esquecer a arretada Luisa Erundina, que comandou a cidade com mão de ferro.


Foi para disfarçar sua homossexualidade que Henrique Meirelles, o todo-poderoso da economia brasileira, casou-se em 2002 com a psiquiatra Eva Missini. Banqueiro bem sucedido no Brasil e nos Estados Unidos, em 2004 Meirelles decidiu seguir carreira política e concorreu ao cargo de Deputado Federal por Goiás onde foi eleito com votação recorde. Ciente de que era conhecido como gay na sua terra natal, onde já tinha dado muita pinta, sua primeira providência antes de concorrer ao pleito foi se casar. Um casamento discreto, às pressas, em que os amigos que sempre frequentavam suas festas nem foram convidados. Um casamento de conveniência. Amigos íntimos de Meirelles garantem que ele está decidido a ser o próximo Presidente da República. A bicha quer por que quer sentar na cadeira do Lula. “Se o Lula, que é uma toupeira, pode ser Presidente, por que eu, que sou um sujeito brilhante, não posso?” É assim que pensa Meirelles todas as manhãs quando se olha no espelho. Será que Henrique Meirelles vai ser o primeiro Presidente Gay da República brasileira? Eu votaria nela!


Agora que se tornou uma estrela da política brasileira Henrique Meirelles anda muito comedido. O chato de ser político é isso: o sujeito não pode ser ele mesmo. Não pode dar pinta. Não pode rodar a baiana. Não pode pegar bofes na sauna. É o preço que se paga. Mas na época em era “apenas” Presidente do Banco de Boston e uma das estrelas do mercado financeiro internacional Meirelles soltava a franga. Rapazes bonitões de Goiás viviam lhe fazendo visitas íntimas na mansão em que morava em Boston. Sempre que podia o banqueiro vinha passar temporadas em São Paulo onde costumava dar festas de arromba, em que não faltavam champanhe e rapazes bonitos. Principalmente rapazes bonitos. “O Meirelles sempre foi uma bicha festeira. Suas festas marcaram época em São Paulo”, diz um velho amigo do banqueiro, figura assídua da sua lista de convidados. No seu aniversário, dia 31 de Agosto, o Presidente do Banco Central gostava de dar festas temáticas, onde muitas vezes costumava aparecer fantasiado, para deleite das bichas amigas. Numa de suas festas mais famosas, denominada de Noite das Arábias, Henrique Meirelles apareceu fantasiado de Scherazade. Waal! Certamente nessa época ele ainda não tinha aspirações políticas.

O Presidente Lula, que tem se revelado uma pessoa muito bem intencionada na questão da homossexualidade, devia apoiar a candidatura de Meirelles. Ele tem muito mais chances do que a Dilma Roussef, que é uma mulher muito careta. Mas, caso seja eleito, Meirelles não terá sido o primeiro Presidente homossexual da República brasileira. De forma alguma! Afinal, não podemos esquecer Itamar Franco, que era uma doidivanas, uma maluca! O curioso é que Itamar foi vice de Fernando Collor, que também tem um prontuário gay. No livro escrito por Pedro Collor ele conta em detalhes o caso amoroso que o irmão Fernando teve com um certo Coronel Darío, um militar que foi Ajudante de Ordens nos anos dourados da Casa da Dinda. Very sexy! Collor também teve um envolvimento com o deputado Paulo Otávio. Mas a vida gay de Fernando Collor começou ainda na juventude, quando ele era um garotão sarado e cheio de tesão. Foi nessa época que o Caçador de Marajás teve um romance com o costureiro francês Pierre Cardin, que foi a Alagoas acompanhar as filmagens de Joana, a Francesa, filme de Cacá Diegues, estrelado por Jeanne Moreau. Na época a estrela francesa era casada com Cardin. Pois bem. Enquanto La Moreau filmava com Cacá, Cardin se esbaldava com o adolescente Fernando Collor nas canaviais da periferia de Maceió. No livro de Pedro Collor ele também conta que o seu irmão tinha um fetiche um tanto quanto gay: gostava de consumir cocaína através de supositário. Ui! Talvez por tudo isso Collor tenha sido o melhor presidente do Brasil pós democracia.

Ao falar de gays na política brasileira não podemos esquecer jamais de Delfim Neto, a Ministra da Fazenda que reinou absoluta na época do governo militar. Essa era uma danada! Tão danada que tinha um grupo de rapazes ao seu dispor que eram conhecidos como os Delfim Boys. Os Delfim Boys eram garotões másculos e viris que a poderosa Delfim protegia e amava com todas as suas forças. Generosa, a Ministra sempre cuidou para que o futuro dos seus rapazes fosse promissor. Muito deles depois que abandonaram as asas protetoras de tia Delfim se tornaram ricos e poderosos, graças a influência da Ministra protetora. Um dos mais famosos Delfim Boys era um segurança bonitão que Delfim, apaixonado, ajudou muito. Anos depois, quando saiu da michetagem, ele acabou se tornando um poderoso empresário do setor das telecomunicações. Em sociedade tudo se sabe!

A lista de bibas na política brasileira é extensa. Henrique Meirelles não é o único gay nascido em Goiás a se tornar uma celebridade da política nacional. Seu conterrâneo Maguito Vilella também sempre foi do babado. Como vemos, as meninas de Goiás são danadinhas! Representando Pernambuco temos o ex-governador e hoje Senador Jarbas Vasconcelos. Esse tá sempre "namorando" misses e moças bonitas. Sua assessoria gosta de mostrá-lo como um machão pegador, mas lá em Pernambuco o que se conta é que ele gosta mesmo é de rapazes. Em Minas temos o nosso Aécio Neves, sempre muito namorador, mas que ostenta em seu curriculo amoroso romances com outros homens. Então vamos votar nele para Presidente!

1.10.08




Uma bela velhice é, ordinariamente, a recompensa de uma bela vida. - Pitágoras

95 ANOS ESTA NOITE – Hélio Gracie completou 95 anos nesse primeiro de outubro e, para comemorar a data, seus filhos Royler, Rolker e Rickson, (os outros irmãos estão no exterior) fizeram uma pequena comemoração na Academia Gracie do Humaitá. “Afinal, 95 é uma idade que merece ser comemorada”, disse Royler emocionado ao fazer uma saudação ao pai. Foi uma comemoração bem íntima. Apenas a família e os seguidores da filosofia Gracie que lotaram a academia para reverenciar o Mestre da arte marcial que praticam.

Os dois salões, transformados em enormes tatames, ficaram lotados de lutadores. Uma pequena multidão de faixas-pretas se expremia para chegar perto do criador daquilo que os americanos chamam de Brazilian Jiu-Jitsu, uma evolução sofisticada do jiu-jitsu ancestral praticado na Índia, na China e no Japão. Uma horda de lutadores, todos vestidos com elegantes quimonos, fez fila para cumprimentar o Hélio, dar um abraço, um beijo, bater uma foto, trocar um gesto de carinho. Um ritual quase religioso embalado num clima de harmonia e respeito onde todos pareciam conscientes da sua condição de samurai. Guardiões de um princípio, de uma sabedoria muito especial.

Na celebração aos 95 anos de Hélio Gracie houve bolo com refrigerantes, parabéns pra você e breves discursos. O primeiro a falar foi Royler que, com a voz embargada, os olhos em lágrimas, falou da importância do seu pai para a história do jiu-jitsu. E também da importância dele como pai e amigo. Depois Royler pediu que o Cirurgião Plástico Pedro Valente, entusiasta do jiu-jitsu, e amigo de Hélio há muitos anos, que dissesse algumas palavras. O médico saudou o aniversariante e contou como Jiu-Jitsu, que praticou a vida inteira, o ajudou no seu trabalho como cirurgião, interferindo de forma muito positiva no equilíbrio e segurança necessários à sua atividade profissional. Dr. Pedro Valente é tão ligado ao Jiu-Jitsu que educou seus três filhos homens não para serem médicos como ele, ou engenheiros, advogados ou arquitetos. Criou os rapazes para serem mestres de Jiu-Jitsu, continuadores da prática e da filosofia da antiga academia de Carlos e Hélio Gracie, que forjou o Jiu-Jitsu moderno. Hoje os filhos do cirurgião Pedro, Guilherme e Joaquim são donos de uma grande academia em Miami, a Valente Gracie Jiu-Jitsu, onde ensinam tudo o que aprenderam com Hélio.

Em seguida foi a vez do mito Rickson Gracie dizer algumas palavras. O lendário Rickson, ídolo maior dos lutadores brasileiros, é a serenidade em pessoa. Sóbrio, equilibrado e falando corretamente ele discorreu sobre a arte marcial desenvolvida por seu pai e pelo tio Carlos. Para Rickson o grande mérito do Hélio foi tornar o Jiu-Jitsu popular. Foi transformar o Jiu-Jitsu numa opção de defesa pessoal para os mais fracos. Para o campeão, se o Jiu-Jitsu tivesse sido uma ferramenta de defesa pessoal boa apenas para lutadores profissionais ou homens fortes, não teria se tornado tão grande e respeitado como é nos dias de hoje. O principal mérito do Hélio foi mostrar que qualquer um pode ser um grande lutador, mesmo sendo fisicamente mais fraco. Na próxima semana, nos dias 11 e 12 de Outubro, Rickson Gracie estará ministrando um raro seminário para lutadores, no Clube do Flamengo.

O último a falar foi o aniversariante. Lúcido, bem humorado, feliz, ele saudou os filhos e os alunos da academia. “Desejo que todos vocês cheguem a minha idade com muito mais vitalidade do que eu. E aprendam uma coisa: o segredo da vida longa está no que a gente come”, dizia o sábio dando uma risada jovial, de quem estava adorando a festa. Quem o viu falando com tanta segurança e destreza jamais diria que estava diante de um homem de 95 anos. Em seguida filhos e alunos presentearam o Mestre com uma faixa vermelha com os dez graus de graduação bordados em ouro.

Depois dos discursos as luzes do salão foram apagadas e as velas do bolo foram acesas para dar início ao Parabéns pra você cantado por um coral de vozes masculinas que entoou a tradicional música de aniversário com vigor e emoção. Foi lindo. Acho que foi o mais bonito Parabéns pra você que já ouvi. Em seguida foi servido bolo e refrigerantes para todos.

Feliz Aniversário!