29.9.04










MARCEL FERREIRA (à esquerda na foto acima) é mais um lutador brasileiro que está se destacando no circuito profissional de lutas dos EUA. Exímio lutador de jiu-jitsu, ele foi contratado por um empresário americano, junto com mais quinze atletas também brasileiros, para atuar numa equipe de luta denominada American Top Team. Morando na Flórida há um ano e meio, Marcel esteve no Rio para uma curta temporada de férias. Depois de um intenso treino de box na academia do clube Carioca,no Jardim Botânico, Marcel me falou sobre a sua experiência nos EUA. Disse que está impressionado com o profissionalismo do esporte na América. Contou que todos os lutadores recebem um bom salário para treinar e ainda têm serviço médico e dentári à sua disposição. Além disso, a equipe tem assistência jurídica para resolver qualquer tipo de problema com a imigração. Os lutadores são obrigados a chegar na academia às nove da manhã e quem faltar ao treino é descontado no salário. Como em qualquer emprego. Marcel Ferreira está invicto há vinte e seis lutas. Ele se tornou imbatível num tipo de luta chamado Grappling, que é apenas o jiu-jitsu sem quimono. A atuação de Marcel nessa modalidade o credenciou para lutar no UFC, o milionário circuito de Vale Tudo. Marcel está feliz com o resultado do seu trabalho e sonha lutar no Japão. No próximo dia 30 de Outubro ele vai disputar mais uma luta, dessa vez com o americano Karl Malenko. Leia AQUI uma entrevista com Marcel Ferreira.




DIA DA IMPRENSA - O Clube dos Marimbás, em Copacabana, foi palco da animada festa que a Coca-cola promoveu para comemorar o dia da imprensa. Um buffet fantástico, jantar e muita bebida. Na pista de dança um DJ eficiente que conseguiu botar os jornalistas para dançar até tarde. O melhor do Clube dos Marimbás é a vista. Estava uma noite linda e o melhor lugar do clube era a varanda, debruçada sobre a praia, onde se podia ver toda a beleza do mar, do céu estrelado e da lua brilhando no céu.


27.9.04




Os infelizes são ingratos; isso faz parte da infelicidade deles.

FESTA DE ARROMBA - Um sucesso a festa que a grife italiana DIESEL promoveu no suntuoso Hotel Glória para lançar sua marca no Rio de Janeiro. Uma gigantesca pista de dança foi o palco perfeito para o dj MOBY exercitar o seu carisma. Cinco telões exibiam imagens psicodélicas que pareciam adequadas ao culto à música eletrônica. Em volta da pista, cinco ambientes, cada um com um serviço de bar diferente. Uísque, vodca e muito champanhe. Na enorme varanda os convidados poderiam admirar a beleza do parque do Flamengo. Na área em volta da piscina um lounge para momentos de relax.


Os fãs de música eletrônica tiveram uma noite de glória. Quando MOBY assumiu as carrapetas, seguranças precisaram conter o público que avançou sobre o DJ com suas minúsculas câmeras digitais. Todos querendo uma foto enquanto o astro das pistas exercitava o seu estilo cool e injetava adrenalina na pista com sua música cheia de acordes eletrônicos. Na fila do gargarejo personalidades da vida carioca dançavam sem parar. Erika Palomino, Mariana Weickert e Fernanda Torres foram as musas da pista já que não paravam de dançar um minuto sequer.


Astros, estrelas e candidatos a estrelas lotaram o Hotel Glória. Quem estava lá? Vitor Fasano, Marcos Pasquim, Eduardo Moscovis, Felipe Folgosi, Rodrigo Hilbert, Bel Kutner, Miguel Kelner, Eike Batista, Wolf Maya, Beth Goffman, Andrucha Waddington, Aécio Neves, Suzana Vieira, Napoleão Fonyat, Marcos Buaiz, Edsá Sampaio, Fernanda Barbosa, Júlio Lopes, Dado Dolabella, Roberto Amadeo, Letícia Spiller, Heloisa Tolipan, Gilberto Abreu, Zeca Camargo, Marisa Monte, Sergio Maciel, Preta Gil, Augusto Stelai, Danton Mello, Felipe Barahona, Leonardo Vieira, Erik Marmo e Malvino Salvador, entre outros.


O Marcus Buaiz, o empresário super-gente-fina, contava que esta semana está promovendo o Vitória Fashion Days, semana de moda que promete agitar a capital do Espirito Santo. No começo da noite, ao encontrar a espevitada Erika Palomino, comentei sobre a animada festa que ela promoveu durante o Fashion Rio, ali mesmo no Hotel Glória. Erica respondeu: Pois é, aquela festa em que nós quebramos tudo... Adoro La Palomino!


A bebida rolando farta fez muita gente perder a linha. Na pista de dança os mais animados tomavam ecstase, fumavam um baseado ou aspiravam prizes de lança-perfume. Depois das três horas muita gente perdeu a linha. Enquanto isso, a pegação rolava solta nos salões pouco iluminados do hotel. Augusto Stelai, playboy de Copacabana, astro do futebol de praia, azarava todas as mulheres que passavam à sua frente. Um copo de uísque sempre cheio na mão, ele não deixava nenhuma escapar. Eu adoro Augusto, que considero um amigo muito querido, e ri muito com ele quando ficamos conversando na varanda do hotel. Num dado momento, uma modelo famosa passou perto de nós, ele se aproximou dela e foi logo falando: Ana HIckman, eu sou teu fã. Você é maravilhosa. Adoro tuas pernas. Fiquei amarrado naquela entrevista que você deu na TV, etc e tal. A moça sorriu para ele e se afastou. Quando ela foi embora eu disse para ele: Essa não é a Ana Hickman. Essa é a Mariana Weickert. Augusto deu uma gargalhada fenomenal. Cara, troquei o nome das mulheres. Eu tô muito doido...


Bruno Astuto também estava lá. Sempre chique e alto astral, o jornalista e dj do grupo CDF (Cows don´t fly) foi prestigiar a performance do lendário MOBY.


Sergio Maciel, o eterno namorado de Cazuza, fez a maior festa quando me viu. Veio falar comigo e me cobriu de beijos e abraços. Fazia tempo que não nos víamos. E foi ótimo revê-lo, saber notícias e ver que ele está bem. Sempre bem humorado Sergio perguntou pelo nosso amigo Ruiz Bellenda, diretor de teatro atualmente radicado em Curitiba, e disse que tinha visto e adorado uma entrevista que eu tinha feito com ele.


Foi uma festa inesquecível. Durante toda a noite bebi vodka com maçã. Dancei muito ao som do DJ mais quente da atualidade. Encontrei amigos queridos e azarei muito. Boa sorte a DIESEL.

21.9.04




A felicidade é um bem que se multiplica ao ser dividido.




TRAGÉDIA NO QUARTEL - Reviravolta no caso dos soldados Francisco Cleoman e Robson Mendonça, encontrados mortos na Base Aérea de Fortaleza. O jornal O Povo, o mais lido no Ceará, publicou matéria bombástica em que afirma que os dois soldados não atiraram com a pistola 9 mm que portavam no dia da tragédia. Segundo o jornal o teste residuográfico feito nas mãos dos dois soldados deu negativo. Assim, a versão apresentada pela Aeronáutica de homicídio seguido de suicídio deverá ser descartada e substituída pela hipótese de duplo homicídio. Isso significa que uma terceira pessoa está envolvida no caso e seria o assassino. Por isso foi pedido o exame residuográfico de oitenta soldados e oficiais da Base Aérea. Ao mesmo tempo uma nova perícia vai dizer se a cena do crime foi montada. Também deram negativos os testes que poderiam informar se os militares teriam feito uso de alguma substância tóxica (toxicológico) ou mantido relações sexuais (sexológico) momentos antes do crime. Os familiares dos soldados que, desde o início contestaram a versão oficial, estão acompanhando o caso. O fato é que a tragédia na Base Aérea é o assunto do momento em Fortaleza.




CINEMA É A MELHOR DIVERSÃO - Muito concorrida a sessão para a imprensa do filme KILL BILL 2, no cine Odeon. Será que Quentin Tarantino vai ser indicado ao oscar por esse filme? São duas horas de puro prazer para quem assistiu ao volume 1 da saga estrelada por Uma Thurman. Um delírio cinematográfico bem sucedido que mistura com muita eficácia a grandiloquência do faroeste de Sergio Leone com a agilidade coreografada dos filmes de kung fu. É antológica a sequência de luta entre Uma Thurman e Daryl Hannan dentro de um trailer no meio do deserto. Muito humor por trás de uma violência estilizada. As aulas de artes marciais que Lady Thurman recebe de um mestre oriental merecem destaque pelo ator Chia Hui Liu. O final do filme também é genial, quando a heroína... Bem, não vou contar o final. É claro que Kill Bill 1 é melhor que o 2. Afinal, a primeira parte conta com Lucy Liu no elenco e tem a antológica cena de luta da mocinha com um batalhão de japoneses. De qualquer maneira, a melhor lembrança que eu vou guardar deste filme é a citação das músicas de Ennio Moricone, o maestro que fez a trilha dos filmes de cowboy do Sergio Leone.




SELEÇÕES READER´S DIGEST HOMENAGEIA CHICO BUARQUE - Quatro décadas separam o garoto que fez Pedro, pedreiro do senhor maduro que escreveu Budapeste, mas um par de olhos cor de ardósia e muitas das melhores composições da história da música popular brasileira mantêm unidos aquele menino nascido no Rio e criado em São Paulo e o intelectual que acabou se tornando uma rara unanimidade nacional. Chico Buarque de Hollanda chega aos 60 anos como atravessou os anos 60: atrevido, inovador, intrigante e, acima de tudo, capaz de emocionar os que viram ou não viram passar a Banda que encantou brasileiros de todas as idades e credos e que têm, agora, a oportunidade de adquirir a mais completa coletânea de sua obra.


Seleções Reader’s Digest está lançando em 27 de setembro uma coleção com cinco CDs que reúnem as 70 músicas mais importantes de Chico Buarque, além de um prospecto com um texto biográfico sobre a sua vida escrito pelo jornalista João Máximo, que inclui as letras de todas as composições. Completo, minucioso, em 54 páginas, revela, também, 30 fotos de todas as fases de Chico Buarque.


As músicas foram escolhidas por um grupo de críticos e especialistas, mas teve participação importante dos clientes de Seleções. As canções selecionadas foram confirmadas pelo voto direto dos assinantes e consumidores dos produtos Seleções, consultados a cada seis meses, durante um período de dois anos. O resultado retrata a sensibilidade de uma escolha feita a ouvidos de bom gosto musical e competente percepção antológica e histórica. Há um pouco de tudo e de cada fase da carreira de Chico.


A coletânea revela uma outra novidade neste tipo de trabalho: inclui originais de diferentes gravadoras, o que significa que tudo o que o público gosta está lá, em versões com qualidade digital.A coleção As mais belas canções de Chico Buarque, nome também escolhido pelos leitores de Seleções, começa por Construindo sucessos, em que predominam as músicas dos festivais da canção, como A banda, Quem te viu, quem te vê e A noite dos mascarados.


No segundo disco, Chico sem censura, abre-se espaço para as músicas do conturbado período da história brasileira em que Chico foi tão perseguido pela polícia política que, na volta ao Brasil depois de um período de auto-exílio na Itália, viu-se obrigado a inventar um heterônimo para assinar suas músicas - Julinho da Adelaide. Censurado, mas nem por isto menos criativo, Chico produziu nesta época pérolas como Apesar de você, Roda viva, O que será e Vai passar. Todas reproduzidas na coletânea, é claro.


O terceiro CD da coleção, Encontros inesquecíveis, registra as parcerias de Chico Buarque com consagrados cantores e compositores, em duetos que fizeram história, com Djavan (“A Rosa”), Caetano Veloso (“Você não entende nada” e “Cotidiano”), Fagner (“Joana francesa”) e Maria Bethânia (“Vai levando”), entre vários outros. Talento brasileiro, o quarto CD da coletânea de Seleções, reúne as músicas de maior destaque na carreira de Chico Buarque, como Bárbara, Tatuagem e Mulheres de Atenas.


A coleção se completa com um típico gran finale. Outras vozes cantam Chico traz interpretações clássicas como Atrás da porta, com Elis Regina; Pedaço de mim, com Zizi Possi; e O meu amor, com Marieta Severo e Elba Ramalho. A segunda parte deste quinto CD se chama Sucessos eternos, e tem preciosidades como Olhos nos olhos, Vai trabalhar, vagabundo e Bye bye, Brasil, todas interpretadas pelo próprio Chico Buarque.

16.9.04






A felicidade não está no fim da jornada, e sim em cada curva do caminho que percorremos para encontrá-la.

TRAGÉDIA NO QUARTEL - Um crime chocou o Ceará, na semana passada. Dois soldados da Aeronáutica foram encontrados mortos na Base Aérea de Fortaleza. A perícia militar concluiu que existiam fortes evidências de que houve um assassinato seguido de suicidio. Segundo a versão oficial, o soldado Francisco Cleoman, de 20 anos, teria atirado no colega Robson Cunha, de 19, e em seguida teria cometido suicidio. Os corpos dos soldados estavam sem camisa, usando apenas a calça da farda, e foram encontrados um sobre o outro, no beliche do quartel. A morte trágica de homens tão jovens e a forma como os corpos foram encontrados são o assunto do momento em Fortaleza. Colegas dos dois soldados disseram que os dois eram muito amigos e que essa amizade já estava provocando comentários entre os colegas do quartel. No circuito gay de Fortaleza especula-se que os soldados estavam tendo um caso amoroso mal resolvido. A missa de sétimo dia foi rezada nesta quinta-feira, dia 16, na capela da Base Aérea.


O quartel é um lugar mais do que propício para relacionamentos homossexuais. Conheço vários casos de soldados que tiveram aventuras amorosas nos quartéis. O jornalista José Viterbo, editor da revista Homens, foi oficial da Marinha do Brasil durante muitos anos e me contou histórias deliciosas sobre as estrepolias dos marinheiros em alto-mar. O estilista Felipe Veloso foi dentista da Marinha e também aprontou muito, ao som do Cisne Branco. Mas, por ser um ambiente estritamente masculino, também existe muito machismo e repressão. Clóvis Casemiro, empresário do ramo de turismo, serviu no quartel da Marinha, em Angra. Muito jovem, com dezenove anos, estava tendo um caso fora do quartel. Um dia, seu superior o escutou falando no telefone com o namorado. Criou o maior caso com o soldado Casemiro e exigiu que o rapaz pedisse dispensa do quartel, senão iria denunciá-lo. Transtornado com a chantagem do Oficial, que contou para todo o quartel sobre a homossexualidade do seu subordinado, o jovem acabou pedindo dispensa do quartel. Mas, como Deus escreve certo por linhas tortas, meses depois o Oficial teve um enfarte e morreu. Será que foi praga?




DOMINO DANCING - A dupla Pet Shop Boys vai fazer show em São Paulo, no Tim Festival. Por enquanto não existe data agendada para o Rio de Janeiro. Mas os fãs cariocas não precisam se jogar do Cristo Redentor por causa disso. O empresário Arnaldo Adnet, da empresa IMM TURISMO está organizando um passeio à São Paulo, cuja principal atração será assistir o show dos rapazes no Jóckey Club. No melhor estilo "Priscilla, A Rainha do Deserto", um ônibus vai sair da praça General Osório, no sábado pela manhã, direto para o Hotel Poeta Drummond, point de gente descolada que vai à Sampa. Mr. Adnet promete um serviço de primeira classe no ônibus e no hotel. Quem quiser embarcar nessa deve ligar para 2531.1060 ou atravpes do e-mail: arnaldo@imm.com.br



13.9.04




Conviva com os homens como se Deus o visse. Fale com Deus como se os homens ouvissem.

8.9.04

SOU TRICOLOR DE CORAÇÃO - A grande família tricolor está de alma lavada com a vitória do fluminense no clássico FLA x FLU deste domingo. Uma vitória no Maracanã é sempre um prazer para o torcedor. E uma vitória num FLA x FLU é um prazer duplo. Principalmente com golaços de Roger e do Edmundo.





ENSAIO DE UM CRIME - É o titulo de uma obra-prima de Luis Buñuel, que tive a oportunidade de assistir no DVD. Filmado no México, em preto e branco, com clima de "noir", mas com aquele toque surrealista característico dos filmes do diretor espanhol. A história é fascinante. Archibaldo, o protagonista, quando criança, ganha de sua mãe uma caixa de música. Para distraí-lo a governanta inventa a história de um rei que possuía uma caixa de música encantada que, toda vez que tocava, provocava a morte de alguém que sua alteza não gostava. Isso acontece durante a revolução mexicana, com tiroteios pelas ruas da cidade. Quando a governanta vai até a janela olhar o tumulto lá fora, o garoto põe a caixa de música para tocar e fica olhando para a empregada na janela. Uma bala perdida mata a mulher. A partir desse dia a criança passa a acreditar que a caixa de música tem o poder de acabar com a vida de quem ele deseja. Durante a revolução a caixa de música some da sua casa. Anos depois, já adulto, Archibaldo encontra num antiquário a caixinha de música de sua infância. A partir daí, uma série de crimes começa a acontecer. O roteiro inteligente e um humor sofisticado dão ao filme um status de grande arte. Destaque para a bela fotografia, que capricha nos efeitos provocados por luz e sombra.

6.9.04

INDEPENDÊNCIA OU MORTE - Como faço todos os anos, fui assistir a parada militar de sete de setembro. Para mim é um programa sagrado. Vou ao desfile todos os anos e até hoje sinto o mesmo encanto que sentia quando via a parada na minha infância. Quando criança eu adorava assistir ao desfile. Era fascinado pelas fardas, pelas armas, pela disciplina e pelas bandas que tocavam os dobrados. Se existe uma música que marcou definitivamente a minha infância essa música chama-se Cisne Branco, o hino da Marinha do Brasil. Quando menino, ouvir aquela música me comovia de uma forma que eu não conseguia entender. Existe uma tristeza na melodia que me perturba a alma. Ao mesmo tempo a beleza dos seus acordes e a letra singela enchem meu coração de felicidade.


Neste sete de setembro, antes de começar o desfile, quando eu caminhava na concentração, por entre fuzileiros, recrutas e paraquedistas, acabei me deparando com um batalhão da Marinha. No exato momento em que eu ia passando a banda começou a tocar o Cisne Branco. Um batalhão inteiro, com uns trezentos marinheiros. Todos perfilados na posição de "sentido". A farda dando aquele toque de elegância masculina característico de toda farda militar. As vozes másculas entoando com firmeza os versos meigos da canção. E a banda tocando com todo gás aquela melodia inebriante que ecoava pelos edificios do centro da cidade e pareciam querer explodir meu coração. Foi lindo demais. Tão lindo que eu não consegui controlar as lágrimas que começaram a jorrar dos meus olhos como uma dupla cachoeira. Chorei como há muito tempo eu não chorava.


Durante o desfile me sentia como a criança que nunca deixei de ser. Eu olhava para os militares com pureza e paixão. Era como se eu nunca tivesse crescido. Ao mesmo tempo era tudo extremamente sensual. E isso não era um sentimento adulto. Quando criança eu já olhava para aquele mundo com desejo e paixão. Quando acabou a parada, ouvindo a música bem ao longe fiquei torcendo para que o próximo sete de setembro chegue logo e eu possa desfrutar novamente desses doces momentos de felicidade.




CISNE BRANCO


Qual cisne branco que em noite de lua
Vai deslizando no lago azul
O meu navio também flutua
Nos verdes mares de norte a sul


Linda galera que em noite apagada
Vai navegando no mar imenso
Nos traz saudades da terra amada
Da Pátria minha em que tanto penso


Quanta alegria nos traz a volta
À nossa Pátria do coração
Estava cumprida a nossa derrota
Temos cumprido nossa missão


Linda galera que em noite apagada
Vai navegando no mar imenso
Nos traz saudades da terra amada
Da Pátria minha em que tanto penso/


Qual linda garça que aí vai cortando os ares
Vai navegando sob um belo céu de anil
Minha galera também vai cortando os mares
Os verdes mares, os mares verdes do Brasil


Música e Letra:
Antonino M. do Espírito Santo e
Capitão-Tenente Francisco Dias Ribeiro





FELIZ ANIVERSÁRIO - O sempre festeiro Guilherme Araújo fez festa animada na sua casa em Ipanema, para comemorar o aniversário. 68 anos, diziam as velas que enfeitavam o bolo. Os amigos mais chegados marcaram presença na festa. Gilda Matoso e Marcus Vinicius. Scarlet Moon. Jorge Salomão. Dedé Veloso. Marcio Roiter. Marco Rodrigues. Noelza Guimarães. Dalva Lazaroni. Ivone Kassu. Regina Priolli. Maria Gladys. Dona Lúcia Rocha. Rodrigo Argollo. Amin Khader. Tania Caldas com a filha Maria Cortez. Além de fotógrafos e jornalistas das revistas Quem, Caras e Contigo. Marcos Ramos fotografando tudo para a coluna Gente Boa e Jonas Torres fotografando para a coluna da Hilde. Como era véspera do feriado de sete de setembro a casa estava toda decorada com balões verde e amarelo. Um buffet maravilhoso com salmão, fois gras e brie. Além de muito champanhe, champanhe, champanhe.


O clima da festa foi de alto astral e muita alegria. Guilherme é um sujeito muito querido e só quem teve a oportunidade de conviver com ele sabe a pessoa adorável que ele sempre foi. Fofocas, ti-ti-tis, causos. Todo mundo tinha uma história divertida para contar ou um comentário maldoso a fazer. O que tornou a noite um festival de gargalhadas. Amin Khader brincava todo o tempo com os jornalistas. Num dado momento ele estava todo serelepe, andando de um lado para o outro e eu perguntei se tinha acontecido alguma coisa. Mr. Khader então me disse, com a voz carregada de excitação: O fotógrafo da revista Contigo, foi no banheiro, fez uma foto do seu próprio pau e me mostrou no visor da câmera. Eu estou "passado" com aquele bofe. Champanhe. Champanhe. Champanhe...


Ivone Kassu soltou faíscas quando alguém falou em Gerald Tomaz. Mau caráter foi a expressão mais gentil que mademoiselle Kassu utilizou para se referir ao diretor teatral. A presença da candidata do PV à Câmara dos Vereadores Dalva Lazaroni também causou um certo frisson. Quando eu disse que a campanha política dela era bem divulgada, alguém comentou: Ela é riquíssima. Tem muito dinheiro. O marido dela ganha milhões da Comlurb. Foi então que uma locomotiva social fez o seguinte comentário: Sabe-se que é através do recolhimento de lixo que acontecem os maiores casos de corrupção das prefeituras. Basta ver o caso de Marta Suplicy, em São Paulo. Champanhe. Champanhe. Champanhe...


Scarlet Moon, divertida e bem humorada, contou que recentemente tinha ido a um jantar e, no momento em que a comida ia ser servida, um dos convidados passou mal, desmaiou e teve que ser socorrido. Estava todo mundo morrendo de fome e ficaram todos na maior dúvida se socorria o sujeito ou se avançava na comida. Aproveitando a dica, Guilherme mandou servir o jantar, vários tipos de massa. Depois as velas do bolo foram acesas e todos cantaram parabéns para o aniversariante, que parecia uma criança com seu sorriso de felicidade. Champanhe, champanhe, champanhe...




O DIABO VESTE PRADA - Finalmente chega ao Brasil o livro que disseca os bastidores da indústria da moda. Em O DIABO VESTE PRADA a toda poderosa editora de moda da revista VOGUE Anna Wintour, um dos meu ídolos jornalísticos, é retratada de forma implacável por uma ex-colaboradora, Lauren Weisberger. Depois de ter sofrido o pão que o diabo amassou com as tiranias da chefe, a secretária resolveu se vingar escrevendo um livro venenoso. Bom para quem gosta de saborear o fel da vingança. O título tem uma quantidade de veneno bem adequado ao tema. Até porque o mundo da moda é um poço de vaidades, competições, egos inflados, ilusão e muito humor.


O mundo da moda não é para iniciantes. Especialmente em Nova York. Para conquistar espaço - o mínimo que seja - é preciso muitas vezes experimentar o pão que o diabo amassou. Ou mesmo vender a alma ao dito-cujo. Mas será que vale a pena tanto sacrifício? Com conhecimento de causa, Lauren Weisberger lança a questão com charme e bom humor em seu romance de estréia, O DIABO VESTE PRADA, um roman à clef que revela, em detalhes, histórias de personagens facilmente identificáveis no mundinho fashion de Nova York. O resultado é um livro saboroso, fiel ao melhor estilo da nova literatura feminina de humor, sucesso de público nos EUA - onde permanece na lista dos mais vendidos desde o lançamento, em abril de 2003 -, já tendo sido publicado em 27 países.


Lauren Weisberger trabalhou como assistente da todo-poderosa-amada-e-odiada editora da revista Vogue, Anna Wintour. Assim, qualquer semelhança de O DIABO VESTE PRADA com a realidade não é mera coincidência. Neste irresistível romance, o leitor irá conhecer Andrea Sachs, uma jovem recém-formada que conquista um emprego que deveria deixar roxas de inveja milhares de garotas: o de assistente de Miranda Priestly, reverenciada editora da revista Runway Magazine, a mais bem-sucedida revista de moda do momento. Logo ela percebe, porém, que o emprego pelo qual um milhão de meninas dariam a vida para ter pode simplesmente acabar com a dela.


De uma hora para outra, a jovem jornalista se vê num escritório onde as palavras Prada, Armani e Versace são lei e começa a conviver de perto com o fascinante mundo da moda. Fascinante, mas nem tão glamouroso assim. Ela logo percebe que, em lugar de escrever reportagens e editoriais de moda, seu trabalho na Runway será o de atender aos caprichos da chefe: Andrea precisa buscar as roupas de Miranda na lavanderia, ir à caça de baby-sitters para seus filhos, localizar do escritório em Nova York o paradeiro do motorista que deixou Miranda tomando chuva numa esquina de Paris e providenciar rapidamente a solução para pedidos os mais mirabolantes. Miranda é a personificação do pesadelo para Andrea.



AGITO EM LONDRES - A dupla inglesa Pet Shop Boys promete sacudir o centro de Londres no próximo domingo. Num concerto ao ar livre em Trafalgar Square, os rapazes vão tocar a moderna trilha sonora que fizeram para o filme mudo Encouraçado Potenkim, filmado em 1925 pelo cineasta russo Serguei Eisenstein. Junto com eles toca a Orquestra Sinfônica de Dreden, com regência do maestro Jonathan Stockhammer. É o evento do ano na música pop. O filme, um clássico da cinematografia russa, que será exibido junto com o concerto, tem na sua trilha original músicas de Tchaikovski e Beethoven. O produtor Philip Dodd em entrevista ao jornal Moscou Times explicou porque a dupla inglesa foi convidada para fazer a nova trilha do filme: "É que os rapazes do Pet Shop Boys são gays como o diretor Serguei Eisenstein."


FESTA NO CEARÁ - A pegação sempre foi um dos esportes favoritos do homem cearense. Assim, cairá como uma luva (ou será uma camisinha?) a realização, em Março de 2005, do I Finde Gay de Fortaleza, com o apoio da Secretária Estadual de Turismo, do Banco do Nordeste e do Hotel Caesar Park. Durante todo o fim de semana haverá raves, competições esportivas, exibição de filmes e peças, concertos ao ar livre e um festival gastronômico com a autêntica comida cearense. O evento faz parte de uma estratégia de empresários da área de turismo, buscando atrair visitantes para a cidade no período fora da alta temporada. Clóvis Casemiro, um dos organizadores, pretende realizar esse tipo de evento em todas as capitais do nordeste. "Além das belezas naturais, queremos mostrar que o Ceará é receptivo à comunidade GLS. Na última parada gay, mesmo com chuva, sessenta mil pessoas lotaram as ruas de Fortaleza." Vai ser arretado!


OUTGAMES 2006 - Será em Montreal, no Canadá, a realização do Out Games 2006, a olimpiada dos atletas gays. De 29 de julho a 5 de agosto, atletas homossexuais de todo o mundo se reunirão para as mais diversas competições esportivas. Este fim de semana, os organizadores convidaram representantes de vários países para discutirem as diretrizes do evento com o prefeito da cidade Gérald Tremblay. Além de competições esportivas, o OUTGAMES 2006 será recheado de atividades artísticas e culturais. Do Brasil foi convidado André Fischer, do Mix Brasil, que será o representante do evento na América Latina. Ficou acertado que atletas de países do terceiro mundo ficarão recebendo, desde já, ajuda financeira para que possam se preparar para a competição. O presidente do comitê organizador do torneio é o nadador Mark Tewksbury, recordista dos 100 metros na olimpíada de Barcelona, em 92.


QUE BICHA É ESSA? - O deputado republicano Edward L Schrock, do estado da Virgínia, anunciou abruptamente sua renúncia ao mandadto, depois que militantes do movimento gay revelaram na internet que ele era homossexual. O assunto acabou virando polêmica na mídia amerciana. Mr. Schrock é um ex fuzileiro da marinha e veterano do Vietnã, conhecido por seu pensamento conservador e rígidos princípios morais. Tanto que ele era radicalmente contrário às leis que favoreciam os homossexuais no seu estado. Segundo militantes do movimento gay o deputado tinha um casamento apenas de fachada mas na verdade ele gostava mesmo era do amor que não ousa dizer o nome. Envergonhado por sua homossexualidade enrustida ter vindo a público o republicano preferiu abandonar a carreira política.

BETHÂNIA É UM ORIXÁ - Assistir ao show de Maria Bethânia é ficar diante de uma artista que soube amadurecer. Ela apurou o seu estilo e oferece aos fãs um espetáculo com o brilho de um diamante lapidado. Impressiona a maneira como a cantora domina a cena e faz tudo funcionar com pleno rigor artístico. É um privilégio desfrutar aqueles momentos ao lado dela e poder apreciar os nuances a força do seu cantar.


Os momentos marcantes? A canção Cabocla Jurema, que ela canta em dueto com Miúcha. Luar do Sertão, Gente Humilde e Tarde em Itapoan. Consegui uma mesa bem em frente em palco, então pude apreciar a diva de um lugar bem especial. O Canecão lotado reagia a cada nova canção, a cada novo trejeito. Na platéia Sergio Augusto e Maria Lúcia Rangel, Zezé Polessa, Martinália, Dan Stubach, José Roberto Marinho, Diana Aragão, Caetano Veloso, Marcio Mothé, Marcelo Itagiba e a querida Cora Ronai, que estava assistindo pela terceira vez.


Melhor que o show foi o agito no camarim. Maior clima de festa, todo mundo vibrando. Não sei porque mas, a Bia Lessa, diretora do show, repetia para as pessoas: “Hoje foi muito bom”. Como se aquele dia, sexta-feira, tivesse sido melhor que os outros. Bethânia estava um doce. Amorosa com os amigos e admiradores que foram cumprimenta-la depois do show. Oferecendo todo o tempo uma palavra carinhosa a todos que iam cumprimentá-la. Vestida de branco a estrela segurava forte na mão de cada pessoa que se dirigia a ela.


No camarim da Bethânia eu pude ver como Cora Ronai é adorada pela família Viana Teles Velloso. O Caetano fez a maior festa quando encontrou com ela o mesmo acontecendo quando Cora foi dar os parabéns a Bethânia pelo lindo espetáculo. Depois fomos falar com a Miúcha, que participa do show cantando duas músicas. A irmã do Chico Buarque foi logo dizendo que estava adorava participar daquele show. “Por mim eu entrava em todas as músicas”, dizia Miúcha com um sorriso largo.


Noticias da Bebel? Miúcha me disse que tinha falado com a sua filhota naquele dia e que ela estava em Vancouver, onde faria show à noite. “Mãe, vem tomar conta de mim”, disse Bebel, que está fazendo uma turnê entre cidades americanas e canadenses. Ela chega ao Brasil dia 19 para uma temporada de apenas dez dias, divulgando o novo disco, depois volta para a América. Mas em novembro ela faz show no Rio. Oba!

2.9.04




A maioria das pessoas é tão feliz quanto decide ser.

RÉQUIEM PARA AMAURY VERAS - A noticia da morte do estilista Amaury Veras encheu o mundo da moda de tristeza. A grife Frankie & Amaury já havia se tornado um ícone da moda carioca. No último Fashion Rio eu tive a oportunidade de assistir ao desfile da grife, cuja coleção tinha o tema ELA É CARIOCA. Posso dizer que foi um desfile e tanto. Como símbolo de sua coleção ele escolheu a mais carioca de todas as musas: Cíntia Howllet. Eu nunca vou esquecer desse desfile. Na trilha sonora produzida por Bruno Astuto, só clássicos da bossa nova. No cenário, enormes guarda-sóis pendurados no teto. As roupas investiam na carioquice e valorizavam a sensualidade das modelos. Cíntia Howllet entrou na passarela ao som da música "Ela é carioca" e deu o tom do desfile. Linda como sempre, ela desfilou com aquela mesma meiga elegância com que costuma desfilar nas areias de Ipanema. Imagino como a musa deve estar triste neste momento. Triste como todas as dondocas da cidade que um dia tiveram a oportunidade de vestir um dos arrasadores modelitos da marca. Descanse em paz Amaury Veras. Descanse em paz...




RECUERDOS - Quem adora as roupas criadas por Frankie & Amaury é a novelista e dramaturga Maria Carmem Barbosa. Certa vez fomos jantar no Marius, e quando eu cheguei na casa dela Maria Carmem estava usando um belo vestido branco com estampas em cores amarelo, vermelho e preto. Eu comentei que ela estava linda com aquele vestido e ela respondeu com um sorriso cheio de orgulho: É um Frankie & Amaury! Por coincidência, naquela noite, os estilistas também estavam no mesmo restaurante e não pararam de olhar para a nossa mesa. Noutra oportunidade, numa festa na casa do Daniel Filho que estava repleta de estrelas, Maria Carmem caminhou apressada por entre os convidados. Quando alguém perguntou para onde ela ia com tanta pressa Carminha resmungou irritada: Eu vou ao banheiro que a vaca da Danuza (Leão) derramou saquê no meu Frankie Amaury.




FROTA ATACA NOVAMENTE - Alexandre Frota está novamente nas páginas da G Magazine. Dessa vez, num ensaio fotográfico em que contracena com quatro rapazes mascarados. Todos os meses a editora me manda um exemplar. Recebi a revista, na redação do JB e mostrei algumas fotos para minha colega Marcia Pereira. Ela olhou as fotos e não conseguiu conter a indignação: Esse Alexandre Frota perdeu totalmente a compostura. Que homem baixo, vulgar. Ele é capaz de fazer qualquer coisa para aparecer. Um imoral. Um indecente. Eu guardei a revista e voltei a trabalhar. No fim do expediente, quando estava indo embora, Marcia chegou no meu ouvido e cochichou: Depois você me empresta essa revista do Alexandre Frota? Ah, as mulheres...




Quando a lei estiver contra nós, devemos argumentar os fatos. Quando os fatos estiverem contra nós, devemos argumentar a lei. Quando a lei e os fatos estiverem contra nós, devemos procurar outro advogado.




PT SAUDAÇÕES - E por falar em revista, é assustadora a reportagem publicada esta semana, na revista ÉPOCA, sobre o partido dos trabalhadores. Organizado como empresa, o partido está se preparando para ficar, pelo menos, vinte anos no poder. Ai que meda! Lula acabou de ser eleito, fez muito pouco do que se esperava dele, mas a grande preocupação dele e de sua turma é como se manter no poder. Se fossem pessoas realmente bem intencionadas, saberiam que a melhor forma de se manter no poder é trabalhando pelo país. Não é o caso dessa gente. Desde que assumiram o controle do país os petistas só trabalham pensando nos seus próprios interesses.


Lula só pensa em reeleição. Vez por outra o operário padrão resmunga que quatro anos é pouco tempo para fazer tudo o que gostaria de fazer pelo país. Durante a viagem a África disse que estava indo ao Gabão aprender com o ditador Omar Bongo a ficar 37 anos no poder. Essa semana, depois de perdoar a dívida de Moçambique, defendeu a permanência no poder do Joaquim Chissano que está há 18 anos na presidência do país afirmando: Eu fico imaginando se é direito, ou é justo, uma pessoa que conquistou a liderança e a representatividade junto aos países africanos voltar para casa e ficar cuidando de boi zebu. Parecia que Lula estava falando dele mesmo. Sei não. Mas alguma coisa me diz que Lula e o PT ainda vai causar problemas a democracia brasileira. Com relação a esse desejo de permanência no poder, a única coisa que me tranquiliza é que Fernando Collor, quando ganhou a eleição, também acreditava que iria ficar duas décadas no poder. Pois é!


TRECHO DA REPORTAGEM DA REVISTA ÉPOCA

Esqueça o PT mambembe que vendia badulaques e improvisava festas para arrecadar dinheiro, o PT do militante vestido com camiseta de Che Guevara. Tudo isso é passado. Está em fase de acabamento um partido high-tech, com gestão altamente profissional, fincado em 96% dos municípios brasileiros. Desde que Luiz Inácio Lula da Silva perdeu a eleição de 1998 para Fernando Henrique Cardoso, o Partido dos Trabalhadores vem montando uma estrutura comparável à das maiores empresas do país. Com a chegada ao Palácio do Planalto, o projeto disparou. Se os seus 5.352 diretórios municipais fossem agências bancárias, o partido de Lula seria maior do que o Banco do Brasil ou o Bradesco. O volume de escritórios políticos é quatro vezes maior que o número de lanchonetes do McDonald's e dez vezes maior do que a rede de supermercados do grupo Pão de Açúcar.




CINEMA É A MAIOR DIVERSÃO - Um dos meus filmes favoritos do cinema brasileiro chama-se A Rainha Diaba, do cineasta Antonio Carlos Fontoura. É uma história inspirada no mito de Madame Satã, o clássico bandido da Lapa que era uma bicha ousada, que dava porrada em malandros e policiais sem desfazer a maquiagem. No filme Milton Gonçalves, em atuação memorável, interpreta o personagem título, uma bicha escrachada que é líder de uma gang de travestis traficantes. Stephan Nercessian, ainda bem jovem, interpreta um bofe atrevido que resolve fazer o tráfico na mesma área das bichas, interferindo nos negócios das mesmas. Odete Lara, maravilhosa, faz uma cantora de cabaré, que é explorada pelo bofe e sofre represália das bichas. Taí um filme brasileiro que merecia um remake. Com ritmo de filme policial e grande performance dos atores, A Rainha Diaba dosa com sabedoria humor e ação, num roteiro muito bem elaborado. Agora o filme está saindo em DVD. Para celebrar o lançamento, na próxima quinta-feira, 9 de setembro, vai haver uma exibição no cine Odeon, com cópia restaurada.