28.2.03







Queridos leitores, escrevo este post direto do camarote Expresso 2222, do Ministro Gilberto Gil, em frente ao Farol da Barra, no centro nervoso do carnaval de Salvador. Lá fora o Chiclete com Banana toca grandes sucessos do carnaval baiano enquanto é seguido por uma multidão enlouquecida, como fanáticos de uma seita religiosa. Fanáticos que exibem coreografias diferentes a cada música que é tocada. No camarote Gilberto Gil e sua mulher Flora recebem seus convidados para o carnaval baiano.


O camarote é um luxo. Fica num predio em frente ao Farol. Um grande salão, em vários níveis. Tem um imenso buffet. Pista de dança. Sala de estar. Bar. Mas, o que eu mais gostei, foi o cyber-café, com vários computadores de última geração. Todos os trios elétricos passam bem em frente ao camarote. A partir das duas varandas os convidados podem assistir ao desfile dos trios de um lugar privilegiado.


O clima da festa é de alto astral. O povo baiano, mais do que nunca, celebra o carnaval tendo como líderes os dois maiores ícones da música baiana: Caetano Veloso e Gilberto Gil. Ontem à noite, desfilou o Bloco dos Mascarados, com a cantora Margareth Menezes. Foi muito legal. No bloco todo mundo tem que sair fantasiado. Então o desfile era um festival de fantasias hilárias. Quando passou em frente ao camarote Expresso 2222, Caetano Veloso desceu até a avenida para pular junto com o povo enquanto era saudado pelos músicos.

26.2.03




Hoje eu vou sambar na pista. Você vai de galeria. Quero que você assista na mais fina companhia. Se você sentir saudade, por favor não dê na vista. Bate palma com vontade. Faz de conta que é turista.




Eu sou seresteiro, poeta e cantor. O meu tempo inteiro só sonho com o amor.

I LOVE RIO - Tiroteios? Bombas na Vieira Souto? Ameaças de traficantes? Ônibus incendiados? Eu me recuso a falar sobre esses assuntos. O Rio de Janeiro, em que eu vivo, é um lugar pacato e tranqüilo. Uma ilha de beleza e sensualidade. Uma cidade mágica e encantadora. O Rio de Janeiro que eu adoro e que me fascina é uma terra de gente bonita e bem humorada que dedica sua vida a dar e sentir prazer.


Aproveitando que estamos nos últimos dias do verão decidi fazer um balanço dos eventos que mais me chamaram a atenção nessa última temporada de calor. Uma seleção das imagens que marcaram no meu coração o verão de 2003 e que me fizeram pensar como aquele personagem do filme do Roberto Benigni que, mesmo cercado das agruras do nazismo conseguia olhar o mundo através da mais absoluta, singela e simples de todas as verdades: A Vida É Bela!


1 – Cíntia Howllet-Martin mergulhando num pôr-do-sol no posto 9, submergindo nas ondas espumantes e depois aparecendo bela e encantadora, como se fosse a própria Iemanjá. Uma miragem. Se algum dia alguém fizer um filme sobre Iemanjá, Cíntia é a atriz perfeita para o personagem. Ela tem a beleza, a postura e o astral da Rainha do Mar.

2 - A praia do Arpoador, ficou com outra personalidade depois do aterro. Agora a areia está quase na altura do calçadão. É como se a praia tivesse ficado mais acessível. A mudança de cenário tornou quase que obrigatório um mergulho no Arpoador.

3 - André Rezende desfilando no Rio Fashion Week, com o rosto cheio de desenhos de inspiração tribal. André Rezende andando de skate na ciclovia. André Rezende fotografando para Hans Peter Schneider em frente ao Hotel Othon. André Rezende...

4 - LÁ VAI BOLA, o time sensação das areias de Copacabana. O mais tradicional time de futebol de praia chegou à final do Campeonato Carioca esbanjando charme e talento. Bruninho, Pedrinho, PC, Caô, Valois, Renato e Jorge Zen fizeram de suas partidas um espetáculo de garra e paixão pelo futebol. É comovente a paixão e o amor que esses atletas sentem pelo futebol penta campeão. Mais comovente ainda é a forma como esse amor é traduzido nas partidas do campeonato.

5 - Chico Buarque e Miguelzinho Faria caminhando diariamente sob o sol escaldante do verão. Pode existir imagem mais carioca do que essa? Chico e Miguelzinho dão um toque de classe e sofisticação ao calçadão. Dão charme, conteúdo, densidade e calor. Quando eles chegam na praia até o sol parece ficar mais alegre e brilhante. A dupla (ou será o casal?) encarna com perfeição o estilo carioca de ser.

6 - As camisas da coleção de verão da Sandpiper mereciam ganhar um Oscar. No filme O Grande Gatsby tem uma cena em que Robert Redford, querendo impressionar Mia Farrow, começa a mostra-lhe sua coleção de camisas, que ele tira do guarda-roupa e joga sobre a cama. Mia então começa a chorar. Gatsby pergunta porque ela está chorando e Mia diz que está chorando porque nunca tinha visto camisas tão bonitas como aquelas. Pois bem. Cada vez que eu vejo as camisas da Sandpiper eu tenho vontade de chorar como Mia Farrow neste filme.


7 – O banho noturno na praia de Ipanema. A água clara e refrescante. Os peixes se divertindo junto com a gente. A lua gloriosa embelezando ainda mais o céu estrelado. Uma brisa suave que sopra do oceano. Precisa dizer mais alguma coisa?

8 - Olivieri, o salva-vidas do posto 8. Lindo, com a sua sunga preta e a camiseta vermelha do corpo de bombeiros. Ele encarna com perfeição a imagem do guardião da praia. Está sempre de olho nas crianças. Atencioso com os turistas. E amigo dos moradores da região. É o tipo de sujeito que ajuda as velhinhas a atravessar a rua. Adoro Olivieri, apesar dele me tratar com um prudente distanciamento. Eu o entendo. Se não houvesse esse distanciamento eu já o teria chamado para a briga há muito tempo. É que, a exemplo da governadora Rosinha Mateus, eu também tenho uma paixão no Corpo de Bombeiros do Estado do Rio.

9 - Era uma tarde de sábado. Eu ia assistir a mais uma partida do campeonato de futebol de praia. A rua Souza Lima estava bem tranqüila. As árvores frondosas davam um clima ainda mais bucólico ao lugar. De repente, eu olho para o lado e vejo, na janela do seu apartamento, Dorival Caymmi e dona Stella. Os dois, de braços dados, na janela do apartamento curtindo a tranqüilidade da rua. A imagem deles nunca há de me sair da cabeça. Era uma imagem de amor. Surpreso com a cena eu sorri para eles. E eles me devolveram um sorriso que enche o meu coração de felicidade até hoje. Um sorriso que foi só para mim.

10 - As chuvas de verão que caíram sobre a cidade em janeiro. Foi um espetáculo bonito. As manifestações da natureza sempre devem ser bem vindas. A água caindo em cântaros, os relâmpagos rasgando o céu e o barulho dos trovões foi o melhor show de efeitos especiais da temporada.


24.2.03




Um homem não morre quando deixa de existir, e sim quando deixa de sonhar.


ETERNAMENTE MUSA – Cíntia Howllet-Martin provou que é a definitiva musa do Rio de Janeiro. A moça acabou de desfilar como porta-estandarte do bloco Suvaco do Cristo e em seguida saiu na bateria do Monobloco, tocando tamborim. Linda. Usando uma tiara de flores nos longos cabelos. Com aquele seu jeito meigo. O olhar gentil. Um gingado único, que só ela tem. E o sorriso que é a coisa mais linda da face da terra.

LEBLON PRIDE - Eu simplesmente pirei no desfile do Monobloco. A bateria estava divina. Rapazes gostosos. Moças bonitas. E o auxilio luxuoso de uma penca de celebridades. Guto Goffi, baterista do Barão Vermelho, que me saudou com muito carinho. Marcelo Serrado. Diogo Gonçalves. Zélia Duncan. Todo mundo tocando com garra e energia os grandes sucessos do carnaval carioca. Isso sem falar no Sergio Lorosa, o super vocalista do grupo. Bonachão, doce e com aquele vozeirão que Deus lhe deu.


Todo o Rio de Janeiro foi curtir o desfile do Monobloco. O Leblon parecia pequeno para tanta gente bonita, louca e animada. Um clima de carnaval se espalhou por toda a zona sul, com desfiles também em Copacabana e no Jardim Botânico. Parecia que o coração do carioca estava incendiando de tesão pela cidade, pela vida.

23.2.03




O que for a profundeza do teu ser, assim será teu desejo. O que for o teu desejo, assim será a tua vontade. O que for a tua vontade, assim serão os teus atos. O que forem teus atos, assim será o teu destino.

UM BASEADO PARA GIBA – Lamentável que o craque da seleção brasileira de vôlei esteja sendo perseguido porque foi encontrado resíduos de maconha num exame anti-dopping. Isso é ridículo. Não faz o menor sentido considerar a maconha dopping. Se Giba fuma maconha (e é claro que ele fuma), não o faz para melhorar seu rendimento no esporte. Ele não precisa disso. É um grande atleta e quando entra na quadra arrasa e pronto. Ele fuma para curtir, relaxar e viajar, como milhares e milhares de pessoas em todo o mundo.


É ridículo afirmar que a imagem dele como atleta vai ficar manchada por causa da maconha. Para mim, sua imagem melhorou muito depois que eu soube que ele também é maconheiro. Eu fiquei super feliz de saber que ele é um cara normal e não um desses atletas certinhos que querem servir de exemplo para a juventude. Já me basta a caretice do Oscar, do basquete.


No dia em que os jornais estamparam em suas páginas que Giba tinha sido flagrado no exame anti dopping, quando cheguei na praia Michelle Levy, musa do Arpoador, foi logo me mostrando o jornal e dizendo: “Viu só, Waldir. O Giba é um dos nossos!” E em seguida acendeu um baseado. A partir dali ele se tornou um ídolo muito especial para todos nós. No posto seis, quando vão fumar maconha, os garotões agora falam: “Vamos acender um Giba!”


Mas eu já era fã do Giba muito antes da polêmica da maconha. Na verdade, eu me tornei fã dele antes mesmo de conhecê-lo. Há alguns anos atrás, eu tinha acabado de sair do cinema, na última sessão do Roxy, em Copacabana, quando encontrei os atores Ariel Coelho e Ruiz Bellenda. Eles estavam excitadíssimos e, assim que me viram, foram logo dizendo: “Nós acabamos de ver uma coisa incrível, Waldir. Nós vimos o Giba, paquerando um travesti na avenida Atlântica.” Aquele nome não me disse nada. Então eu perguntei quem era Giba. Ruiz botou a mão na cintura e com cara de deboche foi logo me dizendo: “Como é que você, que sabe tudo sobre bofes, não sabe quem é Giba? Que decepção, Waldir... Giba é a nova sensação do vôlei brasileiro. Sensação como atleta e sensação como bofe.” Ruiz respirou fundo e continuou. “Pois bem. Nós acabamos de vê-lo, junto com outro jogador que eu não sei o nome, na avenida Atlântica, paquerando um travesti. Quando eu passei perto ainda o ouvi dizendo: Vamos para o nosso hotel. Já pensou?” Ariel Coelho então emendou: “Eu acho que nós devíamos ir para casa, nos vestir de mulher e ir para a avenida Atlântica que o negócio lá hoje está bom. Tem até atletas do vôlei fazendo pegação.”


De imediato, eu adquiri uma imensa simpatia por esse rapaz que eu nem conhecia. Semanas depois eu estava em casa e toca o telefone. Era Ruiz Bellenda. “Waldir, ligue a TV imediatamente na Bandeirantes que Giba, aquele jogador que eu te falei, está jogando. Depois me ligue de volta para dizer o que você achou do bofe.” Eu tinha ficado curioso para saber quem era o tal do Giba. Liguei a televisão e fiquei vendo-o jogar. Era uma partida entre dois times paulistas. E lá estava ele. Lindo. Sexy. Ainda com cara de menino. Jogando com uma precisão incrível. O locutor não parava de elogiar sua atuação. Imediatamente fiquei encantado com aquele jogador. Fascinado com sua técnica e sua atuação nas quadras. A partir desse dia ele se tornou um dos meus atletas favoritos do esporte brasileiro.


Acendi um baseado para assistir ao jogo. Enquanto fumava viajava na imagem dele transmitida pela TV. Delirava quando aparecia um close do seu rosto suado. Comecei a imaginar que eu era um travesti da avenida Atlântica. Peruca, minissaia, meia arrastão, maquiagem, cílios postiços. Batom vermelho. Os carros passavam por mim , buzinavam e os rapazes me perguntavam se eu era LaToya Jackson. De repente surge Giba e um outro colega do vôlei. Estavam pela primeira vez no Rio de Janeiro e se sentiam encantados com a magia de Copacabana, deslumbrados com aquele clima exótico e sensual da avenida Atlântica. Eu olhava para eles com um jeito bem coquete, carregado de sensualidade. "Cobro Cem Reais."Ele então pechinchava, falando com seu maravilhoso sotaque do interior paulista. “Você não pode fazer por cinquenta? A gente está sem dinheiro.” Eu olhava para a mala dele com o rabo do olho e perguntava: “O que é que você vai querer? Uma mamada? Ou uma chupada?"

RIO FEVER – Todo mundo estava lá. A cidade inteira esteve no Jockey, no penúltimo dia do Skol Beats. Uma multidão se acotovelava por todos os cantos do Club. O clima da festa era: “vamos viver o hoje ao máximo antes da guerra começar”. Nas pistas de dança DJ´s fantásticos incrementavam o som. Dancei muito com uma galera bem maneira. Destaque para a versão dance do hit Die Another Day, com a melhor amiga do Elton Jonh, Madonna. A multidão vibrou quando o DJ musculoso e cheio de tatuagens tocou o tema do James Bond numa versão mais punk. Luzes, cores e uma energia muito boa. Uma mistura saudável de vários estilos de pessoas. De caretas e mauricinhos até os mais variados tipos de junkies e malucos beleza.


No palco onde rolavam os shows primeiro teve Rogê lançando seu disco e em seguida a banda Cidade Negra. Quando ia começar o show encontrei meu querido Sunny, então ele abraçou a esposa pela cintura, segurou a minha mão e nos levou até o meio da multidão e lá acendeu um enorme baseado, que me fez rir o tempo todo. Encontrei um monte de gente. A galera da República do Peru. O pessoal do futevôlei do Posto Nove. Depois apareceu Escorpião, o super jogador de capoeira.


Em seguida encontrei Gibi, com sua amiga Vanessa Penna. Uma loira super simpática. Gibi me apresentou a moça e quando ele disse meu nome ela me olhou sorrindo e falou: Leio o teu blog todos os dias! Para mim foi o melhor momento da festa. Aquilo me encheu de felicidade. Adoro os meus leitores! Para mim não existe felicidade maior do que ouvir alguém dizer que lê o meu blog.


Quem também estava lá foi o lutador Rodrigo Medeiros, que chegou de Los Angeles na semana passada, cidade onde mora desde 97. Rodrigo está mais lindo do que nunca. Vestindo um jeans colado ao corpo, sem camisa, exibindo um torso perfeito e uns braços com muques incríveis. Para ficar ainda mais sexy ele mandou tatuar nas costas as palavras Leblon Pride, em letras góticas. Rodrigo Medeiros é tudo! Se ele está na cidade, a cidade está com tudo. Rodrigo faz parte da turma de bonitões da rua João Lira, no Leblon. A mesma turma que já nos deu o Eduardo Moscovis. Sentiu o nível? Rodrigo me disse que fica no Rio até meados de março. Depois volta ao Brasil em maio para participar do campeonato Abu-Dhabi Brasil, que vai rolar em Maio, em São Paulo.

21.2.03




Às vezes, só uma mudança de ponto de vista é suficiente para transformar uma obrigação cansativa numa interessante oportunidade.

LUAR SOBRE O ARPOADOR – O calor desses dias que antecedem o carnaval transformou o banho noturno no Arpoador no melhor programa da cidade.A água do mar está numa temperatura agradável. Cardumes nadam ao meu lado sem dar a menor importância à minha pessoa. Além disso, depois do aterro, a areia da praia ficou no mesmo nível do calçadão. Então a praia está linda. No céu uma lua enorme brilha gloriosa. É muito bom poder vê-la, deitado sobre o mar, flutuando nas águas claras do oceano, sentindo o acariciar do liquido salgado em todo o corpo.


A DEMOCRACIA CONSISTE EM ESCOLHER OS DITADORES QUE SE QUER, DEPOIS QUE ELES NOS DISSERAM O QUE QUERÍAMOS OUVIR.

QUERO MEU VOTO DE VOLTA - Prêmio Nobel para o Lula? Esse mundo está mesmo de cabeça para baixo. O que é que ele fez para merecer a indicação? Só porque ganhou uma eleição no Brasil? Segundo o jornal Le Monde, o nome do presidente brasileiro foi lembrado por causa de sua preocupação com os problemas sociais. No caso de Lula, é apenas preocupação. De prático, o Presidente Lula não fez nada.


O resultado do prêmio Nobel sai em Outubro. Até lá, o próprio Lula vai se encarregar de desfazer essa impressão internacional de que ele está preocupado com os problemas sociais do Brasil. O jeito como ele está governando, à moda FHC, vai de encontro a qualquer possibilidade de melhora dos índices sociais do Brasil.


Os defensores de Lula dizem que ele tem pouco tempo de governo. E que ainda não houve tempo para se fazer um julgamento de sua administração. Ora, meus caros. Para bom entendedor, meia palavra basta. A gente percebe o Titanic, que é o governo Lula, através das sutilezas. Por exemplo: Ele declarar que chegou a hora dos brasileiros pensarem menos em si e mais no país. Puta que pariu mil vezes!!! Me surpreenda Lula, diria Artur Xexeo. Collor, Sarney, FHC e Itamar também disseram algo parecido no início de seus governos. Os presidentes sempre dizem isso quando querem foder com povo!


Alguém precisa lembrar a esse desgovernado que governa o País que o Brasil tem um regime presidencialista. O povo brasileiro escolheu esse regime através de um plebiscito. E que o presidencialismo exige um presidente forte, com personalidade e atitude. Portanto, é bom ele parar de se comportar como se fosse o Primeiro Ministro de um regime parlamentarista.


Mentira tem perna curta. Lula criticou tanto os juros altos quando estava na oposição e desde que assumiu o governo só faz aumentar ainda mais a taxa de juros. O governo se comporta como um agiota. E porque ele faz isso? Porque, a política de juros altos, é algo bom para o governo. É ruim para os trabalhadores, para a indústria, para o comércio... Mas é ótimo para o governo. Cobrando juros altos o governo adquire mais poder, mais controle sobre a economia. Com os juros altos o governo não precisa fazer economia.


Quando Lula diz que os brasileiros devem pensar menos em si e mais no Brasil ele quer dizer que os brasileiros devem pensar menos em si e mais no governo. Agora que é o Presidente ele acredita que o Brasil é o governo e os políticos. O povo só serve para pagar a conta dessa corja, com seus salários milionários.

19.2.03




O homem que diz dou, não dá. Porque quem dá mesmo, não diz.

CITY OF GOD – Meu querido amigo Vinicius Ribeiro escreve de Nova York, para dar noticias da cidade. Ele conta que assistiu a uma sessão especial para convidados do filme City of God, onde encontrou Gisele Budchen e Sonia Braga. Todo mundo adorou o filme. Aliás, depois da Vanity Fair, agora é a vez da revista Interview recomendar City of God, na última edição. No magazine um maravilhoso ensaio fotografado pelo imprescindível Bruce Weber, autor de algumas das fotos que ilustram este blog.


Vinicius Ribeiro faz parte da equipe que está trabalhando para o governo americano, na construção do memorial no lugar em que havia o World Trade Center. Além da construção do monumento, que será em forma de uma espécie de centro cultural, a equipe está cuidando da revitalização da área da cidade onde ficava o WTC. Só está semana Vinicius esteve com os prefeitos de Londres, Paris e Tóquio, para discutir com eles a participação de outras cidades na realização do monumento.


Vinicius me conta também que o clima na cidade não está nada bom, com a possibilidade de guerra contra o Iraque. A população tensa e apreensiva. A noite, que sempre foi um dos maiores atrativos de Nova York, está sem charme e sem animação. Todo mundo com medo de andar de metrô. Os cidadãos nova-iorquinos acreditam que a cidade é um alvo natural de atentados terroristas e, se houver a guerra do Iraque, a vida em Nova York se tornará insuportável. Aliás, CITY OF GOD é um excelente apelido para a Nova York dos nossos dias.

FHC NÃO MORA MAIS AQUI – A coisa que mais tem me impressionado atualmente na televisão são os anúncios do PSDB. O partido do ex-presidente tem exibido anúncios gigantescos, que parecem longas-metragens, sobre os feitos do PSDB nos últimos anos. Ou seja, o PSDB está gastando uma fortuna com seus anúncios da TV. Onde será que o partido arrumou todo esse dinheiro?


Lembram do último crédito que o FMI fez ao Brasil, que seria liberado a partir desse ano, mas que FHC exigiu que 20% fosse pago ainda durante o seu governo? (Ou seja, o ex-presidente cobrou os seus 20%, como é comum no setor público nacional.) Pois bem. Cada vez que eu assisto ao anúncio do PSDB eu me lembro desse dinheiro.


Essa corja fica pedindo dinheiro emprestado no exterior para usar em benefício próprio. Aliás, na moderna política brasileira, uma das principais fontes de escoamento de dinheiro público, são as agências de publicidade. Através dos orçamentos nebulosos das campanhas publicitárias é que são acertadas as comissões milionárias dos pulhas que vivem de mamar nas tetas da viúva.


Por falar em campanhas publicitárias, é um nojo a campanha publicitária do atual governo em que ele explica que as mudanças no país virão lentamente. Puta que pariu! O Lula tem a faca e o queijo na mão para fazer reformas e mudar a atitude na relação governo-população. E o que é que o cretino faz? Contrata uma agência de publicidade! Ele quer dar credibilidade ao seu governo através de publicidade e não através de atitude. Assim não dá, Luiz Inácio. Assim não dá! Por falar nisso quanto ganha o Duda Mendonça? Será que o cargo dele no governo tem status de Ministério?



ELETROZEITGEIST é a bicha mais venenosa do universo Blogger. Olha só que post maravilhoso:


APROPRIADA
A Kelly Qui como garota-propaganda do uso de camisinha é a coisa mais sensata que o governo fez. Uma profissional do sexo incentivando o uso de preservativo é MUITO MAIS convincente e eficaz do que essa dupla de irmãos de plástico chamada Sandyjunior, que falam sobre camisinha com a mesma naturalidade que falariam sobre Stockhausen.



18.2.03





Toda ação gera uma força energetica que retorna a nós da mesma forma. O que semeamos é o que colhemos. E quando escolhemos ações que levam felicidade e sucesso aos outros, o fruto do nosso carma é a felicidade e o sucesso.

17.2.03

A Rosa de Hiroxima (Para George W. Bush e Tony Blair)

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.

( Vinicius de Moraes)



Madonna não foi indicada para o oscar! Acho que essa seria a indicação mais óbvia desse ano. Afinal, Die Another Day é um hit. Não é um Goldfinger. Ou um Diamonds Are Forever. Mas é um grande sucesso nas paradas e uma música que cumpriu sua função de dar uma imagem mais moderna ao 007. Mas a academia de Artes e Ciências Cinematográficas não quis nem saber. Deixou a eterna material girl fora da festa.


Eu imagino o chilique da Madonna ao saber que não foi indicada. Um grito de ódio. Começa a atirar objetos valiosos nas paredes. Grita com as crianças. Joga taças de porcelana nas vidraças. Guy Richie tentando acalmá-la. "Relax, baby". E ela aos prantos. "Eles me odeiam, Guy. Hollywood não me perdoa por eu ter chegado onde cheguei sem a ajuda deles. Mas o que mais me aborrece é que aquela bicha careca deve estar adorando tudo isso. Aposto como agora mesmo ele está comemorando o meu fracasso."


Corta para o castelo de Elton Jonh nos arredores de Londres. Diante de uma TV sem som, ele saboreia uma taça de champanhe enquanto fala ao celular com o namorado, que está visitando a mãe gripada. "A piranha não foi indicada..." Dá uma gargalhada. "Eu sempre achei que ela não ia a lugar nenhum com aquela musiquinha."Cantarola debochando. "Die another day... Die another day..." Depois despede-se do namorado. Caminha até a estante do seu escritório. Segura o oscar que ganhou pelo tema do filme O Rei Leão e dá uma gargalhada. Uma sonora gargalhada.

12.2.03




A juventude não é apenas uma época da vida. É, também, um estado de espírito.


NOTICIAS DE IPANEMA Um romance de verão está incendiando as areias de Ipanema, em frente ao Country Club. O namoro reúne o cantor Rogê e a bela Juliana Rezende, toda poderosa funcionária da Secretaria Municipal de Esportes e sobrinha de Marina W do BLOWG.


ROGÊ é o trovador de Ipanema. Há muitos verões que ele é o cantor favorito das meninas bronzeadas da zona sul. Natural do Arpoador, o bofe é cantor, compositor, violonista. Lindo, charmoso, sexy. Ele é um típico exemplo de menino do Rio. Sabe aquela história? Calor que provoca arrepio? Calção corpo aberto no espaço? Quando eu te vejo eu desejo o teu desejo? Pois bem. Tudo isso é Rogê!!! Ele já foi muso do verão do JB e vai aparecer no próximo número da revista FAIXA-PRETA. Rogê vai lançar o seu disco no próximo dia 21 de fevereiro, no SKOL BEATS, no Jóckey.


JULIANA REZENDE é uma típica garota zona sul. Só não foi musa do verão porque o pessoal do Jornal do Brasil vacilou. Juju, como ela é conhecida intimamente, arrasa no corpão. Moleca, debochada, malandra. Se não fosse uma moça ela certamente seria uma bicha. Mais sarada impossível. Ela arrasa na praia usando um biquíni mínimo. Vários bofes amigos meus já me pediram para ser apresentados a ela. Ou então tentaram conseguir o telefone da moça. Mas Ju é bem comportada e estava comprometida com uma outra relação. Agora, depois que ficou solteira, encontrou guarida nos braços másculos do belo Rogê. Que inveja!!!

AGITOS DO VERÃO – As areias da zona sul vão ferver com diversos eventos esportivos à beira mar. No Leme, de 16 a 23 de tem o Mundial de Beach Soccer. Há quatro anos que o circo do beach soccer não monta sua arena nas areias de Copacabana. Agora o carioca vai poder assistir in loco os grandes nomes do esporte dando um show de futebol. O goleiro Robertinho, inseparável amigo do Romário. Jorginho, jogador da Constante Ramos. Júnior Negão. Neném. E muitos outros. Programa imperdível para fãs do futebol e todos os tipos de Marias Chuteira.


Em Copacabana tem início a seminal do torneio de Futebol de Praia. Os quatro times classificados foram Lá Vai Bola, Copagalo, União Família Tetra e Ájax. Ou seja, a elite do futebol de praia do Rio de Janeiro estará em cena no próximo fim de semana.


Em Ipanema, ao lado do Posto 10 começa sábado o Campeonato de Vôlei de Praia que vai escolher os Reis e as Rainhas da praia. Duas duplas serão escolhidas entre os mais importantes jogadores de vôlei do litoral carioca. Haja sol!

GLÓRIA TRICOLOR – Os torcedores do Fluminense estão num nirvana. Ganhar de 3 x 0 do Flamengo é sempre um motivo de júbilo, mesmo num campeonato fuleiro como o atual campeonato estadual. Domingo, depois do jogo, os tricolores estavam nas nuvens. Num boteco em Copacabana, numa amistosa mas acalorada discussão entre dois torcedores, o tricolor mandou o flamenguista calar a boca com o seguinte argumento: “O Fluminense é o time mais importante do Rio de Janeiro. Para comprovar isso vou citar o nome de apenas dois torcedores do Flu: Chico Buarque e Nelson Rodrigues.”




Preocupe-se mais com o seu caráter do que com sua reputação. Seu caráter é o que você realmente é. Sua reputação é apenas o que os outros pensam que você é.

EU MATARIA O PRESIDENTE – Alguém precisa fazer alguma coisa contra George W. Bush antes que ele faça uma cagada. Um atentado seria perfeito. Um tiro na cara para ele deixar de ser filho da puta. Uma bomba na White House também seria uma boa opção. Já pensou o corpo do presidente americano feito em milhões de pedaços? Que maravilha!!! Afinal, o que a gente pode desejar para um sujeito tirano e mau caráter como ele? O canalha está cegamente decidido a bombardear o Iraque. Ou seja, atirar bombas em mulheres e crianças, apenas para ganhar dinheiro. Morte a George W. Bush!!!

ENQUANTO ISSO NO BRASIL, QUEM TAMBÉM MERECIA MORRER

1) César Maia, o prefeito do Rio de Janeiro, que comanda a decadência do balneário. Em vez de exercer sua função de administrar a cidade, o safado só pensa em roubar. Sua obsessão em construir o Museu Guggenheim deixa claro que o canalha está levando alguma comissão nesse negócio. Cínico! Filho da puta! Merece um tiro na cara! Só que, antes do tiro devia ter os testículos amassados com um martelo.
2) Marta Suplicy merecia ser decapitada. Seria o maior prazer apertar o botão da guilhotina e ver a cabeça da aristocrata Marta, com o seu rosto carregado de botox, rolando pelo asfalto. Depois pegar a cabeça da vaca e usar como bola de futebol no campeonato paulista. Vigarista!
3) Rosinha Garotinho é outra cadela corrupta. Essa merece o pelotão de fuzilamento. Só que, antes do castigo supremo, ela seria torturada pelos funcionários públicos que ainda não receberam o décimo terceiro. Furiosos, cada um dos trabalhadores do estado devia dar-lhe pelo menos uma boa chicotada no lombo.
4) Todo o Ministério do Governo Lula. Essa turma devia ir para o moedor de carne. Transformava todos em salsicha e depois distribuía na Campanha Fome Zero. Antes porém cortava o pau do Ciro Gomes, incluindo os testículos, colocava numa caixa, embrulhava para presente e mandava entregar na casa da Patrícia Pillar.
5) José Sarney deveria ser queimado vivo na principal praça de São Luiz, com uma fogueira feita apenas por seus livros: Marimbondos de Fogo e A Dama do Mar. Aproveitando o embalo seriam incluídos na brasa Roseana, Zequinha, Murad, a velha dona Marly e todos os descendentes dessa corja. Um churrasco e tanto!




O mundo é grande


O mundo é grande e cabe
nesta janela sobre o mar.
O mar é grande e cabe
na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe
no breve espaço de beijar.


(Drummond)

6.2.03




NÃO DEVEMOS PERMITIR QUE ALGUEM SAIA DA NOSSA PRESENÇA SEM SE SENTIR MELHOR E MAIS FELIZ

CELEBRIDADES – Não consigo parar de ler O Desfiladeiro do Medo . Aliás, não estou apenas lendo mas saboreando o novo romance de Clive Barker que a Editora Bertrand Brasil acabou de publicar. Já li um terço do romance que tem setecentas páginas. E pelo que eu estou percebendo, setecentas maravilhosas páginas.


O protagonista é Todd Pickett, um astro de Hollywood no auge do sucesso. Milionário, famoso, adulado, bajulado. A fim de arrasar no seu próximo filme Mr. Pickett decide fazer uma operação plástica. Dar uns retoques nas rugas que começam a aparecer. Esticar um pouco a pele a fim de ficar ainda mais sedutor na sua próxima produção. Ocorre que algo deu errado durante a cirurgia, seu organismo reage mal aos procedimentos cirúrgicos. Resultado: o super astro de Hollywood sai da mesa de operação com o rosto deformado.


O capítulo do livro que descreve o astro de Hollywood acordando depois de ter ficado três dias em estado de coma é impressionante. A angústia dele sentindo-se sufocado com as gazes em volta do rosto. A voz emocionada do irmão dizendo que apesar de tudo ele está vivo. O seu desespero quando começa a perceber que algo não saiu como planejado. “Apesar de tudo, o quê?” Suas lágrimas quando pela primeira vez vê o rosto no espelho.


Antes da tragédia o livro mostra a premiére do novo mega sucesso de Todd Pickett no Chinese Theatre e todos os bastidores de um evento como esse. As fãs contratadas pelo estúdio para gritarem seu nome, misturadas às fãs autênticas. O nervosismo dos produtores, em dúvida quanto ao possível sucesso do filme. O livro descreve com muito charme a chegada de Sigourney Weaver, uma das estrelas da produção. Ela desce da limusine e olha para a multidão com o cuidado de não fitar os olhos de ninguém, como lhe recomendou a equipe de segurança do estúdio. Nem mesmo quando um fã a chama de Ripley, o personagem do filme Alien, pelo qual ela será eternamente identificada.


Quando se confronta com o rosto deformado Todd Pickett decide sumir de Hollywood, para que ninguém descubra o que aconteceu. E vai se esconder numa imensa casa que sua agente aluga, fora da cidade, num desfiladeiro localizado numa região quase deserta. Todd não sabe disso mas a mansão foi construída por uma misteriosa atriz dos anos 20, que aparentemente fez um pacto sinistro com criaturas do mal que ficam rondando os imensos jardins da casa.


Quando Todd some de Hollywood os boatos começam a circular pela cidade. Maxine, a agente do super astro tenta acalmar os jornalistas, inventando justificativas para o seu sumiço. Os jornalistas continuam desconfiados. Afinal, Todd adorava freqüentar os restaurantes caros da cidade e circular com novas namoradas. Algo deve ter acontecido com o astro para ele ter sumido da cidade logo após o lançamento do seu último filme. É nesse momento que surge Tammy Lauper, a dirigente da Sociedade Internacional de Admiradores de Todd Pickett, a maior fã do ator. Intrigada com o sumiço do seu ídolo ela decide investigar o que aconteceu e acaba localizando a casa no desfiladeiro. Invade a casa de Todd e se esconde no jardim, depois de vê-lo no terraço com o rosto todo enfaixado.


Na tentativa de se esconder para descobrir o que está realmente acontecendo Tammy se perde nos labirintos do gigantesco jardim, onde acaba sendo tragada pelas sinistras criaturas que habitam aquele local. É nesse ponto da história que ocorre a noite do Oscar. Todd fica abatido por saber que está acabado para o cinema. Da mansão, vê ao longe os holofotes iluminando o céu de Los Angeles. No dia seguinte sua agente vai visita-lo e conta tudo. Os bastidores, os climas, as festas, as falsidades e os boatos sobre o seu sumiço. Maxine também diz que foi procurada pela polícia, por causa do desaparecimento de Tammy Lauper, da Sociedade Internacional de Admiradores de Todd Picket.


Depois de contar sobre a noite do Oscar Maxine diz que vai abandona-lo. Ela sabe que ele está acabado para o cinema e decide abandona-lo no momento em que ele mais precisaria dela. “Você ganhou muito dinheiro graças a mim”, diz o ator. “Não, Todd. Você é que ganhou muito dinheiro graças a mim. Fui eu quem te fiz Todd Pickett. Fui eu quem convenceu os chefões da Paramount a te dar uma chance no teu primeiro filme... “ Sem nenhuma piedade Maxine arrasa com Todd. “Eu posso chegar no aeroporto de Los Angeles e encher várias limusines de jovens que chegam a Los Angeles na esperança de ser um novo Tom Cruise. Um novo Leonardo Di Caprio. E sou eu quem vai decidir qual deles vai chegar lá. Os outros vão acabar vendendo o rabo nas ruas do Santa Mônica Boulevard. Se tiverem sorte, vão acabar trabalhando como garçons.


Eu adoro histórias sobre os bastidores de Hollywood. Mas uma coisa me intriga. Porque será que as histórias sobre os bastidores da indústria do cinema são sempre tão cruéis? Por que será que o mundo do cinema inspira histórias tão cruéis a seu respeito? Talvez seja simplesmente porque a vida é cruel e o cinema é a recriação da vida.


Não consigo imaginar a vida sem o cinema. Ou melhor, consigo sim. A vida sem o cinema seria uma vida chata, insossa e sem graça. Como viver sem Richard Gere? Sem James Dean? Sem Brigitte Bardot? Como viver sem a noite da entrega do Oscar? Como viver sem a magia dos filmes de Scorsese, Coppola, Tarantino, Spielberg, Bertolucci, Capra, Fellini, Woody Allen... Não importa se eles são maus, cínicos, drogados, pervertidos, falsos, inescrupulosos, corruptos, cretinos.. (Ou seja, humanos...) O que importa são os filmes. Apenas os filmes. Não existe magia e encanto maior do que sentar numa sala escura e ver Leonardo Di Caprio abrir os braços de Kate Winsllet na proa do transatlântico e desfrutar com o casal apaixonado a brisa suave do oceano antes da tragédia acontecer.




A suprema felicidade da vida é a convicção de ser amado por aquilo que você é, ou melhor, apesar daquilo que você é


CLIVE BARKER é um escritor que, definitivamente não tem papas na língua. Para deixar isso bem claro, no prefácio do livro ele faz um agradecimento a todas as pessoas que o ajudaram na feitura do mesmo. Seu agente, seu secretário, seu pesquisador de texto, seu tradutor, etc. Mas, antes de agradecer a todos ele diz o seguinte:


“Permitam-me começar com David Emilian Armstrong, meu marido e, em todos os sentidos da palavra, meu parceiro: aquele que esteve comigo quando um de nossos cinco cães, Charlie, morreu. David sempre teve fé em minha capacidade de dar mais um passo adiante. De tornar a história que estou contando um pouco mais gostosa, o quadro que estou pintando um pouco mais brilhante, a foto que estou tirando um pouco mais sexy.”

CELEBRIDADES – Fiquei muito impressionado com o drama do protagonista do livro O Desfiladeiro do Diabo. Ter o rosto deformado depois de uma cirurgia plástica mal feita. Fiquei imaginando a angústia dessas pessoas que fazem cirurgias, até verem o resultado final de sua operação. O drama de Todd Pickett me fez lembrar a última vez que encontrei Danuza Leão pessoalmente. Eu tinha ido ao Jornal do Brasil fazer uma pesquisa de texto. Depois de feito o trabalho precisei de uma xerox e ao caminhar no corredor do jornal dei de cara com ela e levei um susto. Precisei fazer um esforço para não gritar de pavor. O rosto da Danuza era uma mistura de várias técnicas de rejuvenescimento que não tinham dado certo. Sua testa tinha um formato estranho. Assim como suas pálpebras e seus olhos. Nas bochechas parecia que havia sido injetado silicone, e que aquilo tinha escorrido por dentro da sua pele, deixando-a parecida com aqueles travestis desesperados. A boca parecia um corte de navalha. Havia algo de monstruoso naquele rosto distorcido, que um dia havia sido um dos mais belos rostos de sua época. Parecia que a Danuza tinha acabado de ser atropelada por uma locomotiva. Senti vontade de sair correndo pelos corredores do JB, fugindo daquela visão pavorosa. Saí do jornal desejando matar o cirurgião plástico da Danuza.




Há grandes homens que fazem com que todos se sintam pequenos. Mas o verdadeiro grande homem é aquele que faz com que todos se sintam grandes



MAMAEZINHA QUERIDA - Minha mãe Nadir, musa inspiradora do novelista Antonio Calmon, ligou de Recife saudosa do seu filhote. Perguntou porque eu não tinha ido para o Recifolia, a micareta da cidade. Mummy falou que o carnaval fora de época tinha sido super animado. Confusões, drogas, trio elétrico, som alto. Mas, como ela mesmo disse, carnaval é assim mesmo. Eu me lembro, quando era bem criança, de vê-la doida, junto com meu pai e seus amigos, cheirando lança perfume. Aliás, o carnaval de Recife sempre foi uma loucura. Todo mundo pira. Não é como esse carnaval careta do Rio de Janeiro onde os foliões são obrigados a assistir os outros brincando. Nunca me acostumei com isso.


Dona Nadir também contou ao seu baby que não perde um capitulo da novela O Beijo do Vampiro . Diz que toda vez que assiste a novela lembra-se de mim. Falou que adora Nadir, o personagem que Antonio Calmon batizou em sua homenagem, principalmente por causa da atriz que o interpreta, Zezé Motta, que sempre foi uma de suas atrizes favoritas. Contou que meus sobrinhos, filhos de minha irmã mais nova têm medo dos vampiros da novela. E para encerrar o assunto me deu um conselho bem maternal: “Meu filho, deixe o Calmon em paz. Ele sempre foi seu amigo.”

BRIAN FERRY canta na próxima semana no Rio. Adoro Brian. Assisti seu show no Metropolitan, na última vez em que ele esteve aqui na cidade. No palco o cara consegue manter aquela mesma energia vibrante que existe nos seus discos. Com uma pitada a mais de rock´n roll. Além disso existe uma elegância muito grande nos arranjos, e na atitude do artista com o público. Brian Ferry é fashion como um evento de moda produzido pela TNT. O roteiro do show que eu assisti incluía canções como Kiss and Tell, Smoke gets in your eyes, Love is the drug e Slave to love. Mas fiquei arrasado porque ele simplesmente não cantou Don´t stop the dance. Saí do Metropolitan querendo morrer. Espero que nesse show ele não me decepcione.

4.2.03




Bruce Weber está vivo!

QUERO O MEU VOTO DE VOLTA! O Presidente Lula acha que o Brasil mudou apenas pelo fato dele ter sido eleito. O falso ingênuo Luis Inácio acredita que, apenas a sua presença na presidência da república já é a grande mudança que o Brasil precisava. E que assim sendo, nada mais precisa mudar. O pateta está caindo na esparrela de confundir sua trajetória pessoal com a trajetória de um povo que forma uma nação chamada Brasil.


É inadmissível que ele tenha esperado tanto tempo para se tornar presidente e, quando tem a oportunidade de exercer o cargo, não apresente nada de novo. Sim, porque o governo Lula não apresentou nada de novo. A preocupação dele com as camadas mais pobres da população é apenas sua obrigação como autoridade maior da nação. Além do mais, a preocupação dele com os pobres, por enquanto, é apenas preocupação.


Já deu para perceber que ele não tem a menor vocação para administrar o país. Sua vocação é apenas a de fazer política. E o que é pior, política no estilo mais tradicional da política brasileira. Ele faz tudo igual ao Fernando Henrique. Eu quero o meu voto de volta! Se fosse para deixar as coisas como estão eu preferia ter continuado com FHC.


Ninguém aqui está cobrando de Lula mudanças radicais. Não é isso. Mas, alguma mudança tinha que ter. Uma mudança mínima. Um sinal qualquer de que existe um outro presidente no cargo. Uma outra idéia. Uma forma diferente de pensar, agir e governar. Ele tinha que ter preparado algo nesses oito anos em que ficou observando o governo FHC. Mas o cretino não trouxe nada de novo. Ao contrário. A filosofia dele é a de deixar como está para ver como é que fica.


Alguém deveria avisar para Lula que, com a mesma intensidade que o povo ama, o povo odeia. A camada mais ingênua da população ainda está sob o êxtase da vitória do operário, do homem do povo. Encantada com os abraços e os apertos de mão. Quando essa gente começar a perceber que o tal operário é apenas um filho da puta igual ao aristocrata FHC, certamente o bicho vai pegar. O mínimo que se pode dizer do Lula é que ele fez propaganda enganosa. Ele nos fez acreditar que faria um governo visando os interesses da população. Mas está fazendo um governo voltado para os interesses dos políticos. Como FHC já fazia. Agora os de esquerda. Mas políticos filhos da puta igual aos de direita.


O Ministério do Lula é patético. O que significa Ministério das Cidades? Para que serve o Ministério da Integração Nacional? Ele cria Ministérios sem nenhum propósito, apenas para servir aos interesses políticos do seu partido e dos partidos de oposição. Sem que haja nenhum critério administrativo ou profissional. Para que tantos Ministérios? Para que um Estado tão grande? Isso custa muito dinheiro. O nosso dinheiro, que ele está desperdiçando.


O Lula podia pelo menos nos ter poupado de Ciro Gomes. Se o povo brasileiro quisesse aturar aquele boçal cearense teria votado nele para presidente. Mas o idiota do Lula o premiou com o Ministério da Integração Nacional, que é um Ministério que não serve para nada. Apenas para alimentar a indústria da política com o nosso dinheiro. Agora, nós brasileiros temos que ficar aturando o Ciro Gomes nas TVs e nos jornais cagando regra, como se ele fosse um exemplo de caráter e moralidade política. Puta que pariu!





O pior dos problemas da gente é que ninguém tem nada com isso.


DA DISCRIÇÃO

Não te abras com teu amigo
Que ele um outro amigo tem.
E o amigo do teu amigo
Possui amigos também...

(Mario Quintana)

2.2.03




Rio di San Barnaba, de Jeremy Barlow (para Sabrina Korgut)

O CASTIGO QUE VEIO DOS CÉUS A arrogância dos americanos levou um balde de água fria com a explosão do ônibus espacial. O país está chocado com mais essa tragédia. Espero que a comoção leve a nação a refletir sobre a guerra contra o Iraque. A explosão é um sinal que veio dos céus. Para lembrar aos americanos que eles não são invencíveis. Nem são senhores do universo. Foi bem feito. Todo castigo é pouco para essa gente.


UM TERRORISTA NA CASA BRANCA – George W. Bush justifica sua obsessão em atacar o Iraque como uma guerra ao terrorismo. A justificativa do Mr. América é o terrorismo. Mas o maior terrorista do planeta terra neste momento é o próprio Bush. O que ele está fazendo com o mundo civilizado, ao tentar impor uma guerra contra o Iraque, é puro terrorismo. Além disso, é terrorismo o que ele está fazendo com a ONU; é terrorismo o que ele está fazendo com os países aliados; é terrorismo o que ele está fazendo com as nações do terceiro mundo; e, mais do que tudo, é terrorismo o que ele está fazendo com aqueles rapazes bonitos que ele está mandando para a guerra.


WE DON´T NEED ANOTHER HITLER - É assustadora a trajetória desse monstro, travestido de presidente da república, chamado George W. Bush. Lembram de como ele foi eleito? Na verdade ele não foi eleito. A eleição americana foi empate. Ninguém nunca entendeu como se chegou ao resultado da vitória dele. Os americanos ficaram mais de um mês contando e recontando votos. Um amigo americano, bem informado sobre os bastidores da sociedade americana, me disse que o que houve na América foi um golpe de estado.


Depois de ter assumido o governo do seu país através de um golpe de estado, George W. Bush só falava em guerra, na fabricação de armas poderosas, etc. No início do governo dele esse discurso parecia inócuo. Até que, convenientemente, aconteceu o 11 de Setembro. Por coincidência, esses ataques caíram como uma luva aos interesses bélicos do novo governo americano. O que me faz acreditar que o próprio governo dos EUA está por trás dos ataques de 11 de setembro. Afinal, eles precisavam de uma justificativa para movimentar a indústria bélica, que foi um dos setores que mais investiu na campanha presidencial de George W. Bush. E um ataque ao próprio EUA seria um álibi perfeito para justificar uma guerra.


No fatídico 11 de Setembro, enquanto Nova York e Washington eram atacadas por “terroristas”, Mr. W. Bush estava à salvo em Miami, região que foi poupada pelo terror. Suspeito, não? Por outro lado, não podemos esquecer que o pai do atual presidente americano, George Bush sem W, é lobista da indústria bélica. Ou seja, ele ganha dinheiro com a venda de armas para o governo. Como é que se diz CPI em inglês?


Depois dos ataques de 11 de setembro, o governo americano passou a acusar Osama Bin Laden, como o responsável pelos ataques que vitimou alguns milhares de cidadãos americanos e estrangeiros. Então o Congresso liberou milhões e milhões de dólares para ser usado na guerra contra o terrorismo. Ou seja, tudo o que o George W. Bush queria, muito antes dos ataques.


Na pseudo-guerra contra o terrorismo, o governo americano prometeu caçar Osama Bin Laden e faze-lo pagar pelas maldades que tinha feito. Depois, voltaram suas baterias para Saddam Hussein, que não teve nada com a história, e esqueceram completamente Osama Bin Laden. Essa história está muito mal contada.


O que me parece é que uma máfia financiada pela indústria bélica tomou conta do governo americano e está decidida a fazer eclodir uma guerra a qualquer preço. Uma guerra contra o Iraque atinge três objetivos claros desses mafiosos. Primeiro movimentará a indústria bélica e isso vai render muitos dólares para eles. Segundo, com a derrubada de Saddam Hussein eles vão poder manipular o petróleo da região. Terceiro, através de uma guerra, os EUA podem impor sua vontade às outras nações através do medo, na medida que eles vão poder exibir o seu poder de fogo, com armas modernas e um exército bem preparado.


É preciso que se diga ao presidente americano Gorge W. Bush: Nós não precisamos de um novo Hitler. O mundo não precisa de um novo Hitler. A Humanidade não precisa de um novo Hitler. O século 21 não precisa de um novo Hitler.